icons.title signature.placeholder Michel Castellar
25/06/2014
19:19

O embaixador de Gana em Brasília, Daniel Yaw Adjei, entrou em contato com o governo brasileiro para que o avião vindo de seu país com o dinheiro da premiação de sua seleção entrasse legalmente na capital federal. O montante de US$ 3 milhões (R$ 6,6 milhões) em espécie foi usado para o pagamento da dívida com os atletas pela participação na Copa do Mundo.

Os jogadores ganeses ameaçaram uma greve e não entrar em campo na quinta-feira contra Portugal, pela última rodada do Grupo G, Estádio Nacional de Brasília, caso não recebessem o valor individual de US$ 100 mil (R$ 220 mil). Mas na manhã de quarta-feira, o presidente de Gana, John Dramani Mahama, entrou em contato com os atletas e prometeu enviar o montante.

Um avião foi fretado e trouxe o dinheiro em espécie, uma exigência dos atletas. A Polícia Federal confirmou que o governo brasileiro deu o aval para a aterrissagem da aeronave, após entendimentos com a representação diplomática de Gana.

- O problema já foi solucionado. Agora estamos concentrados nessa partida. Para os jogadores será ruim uma derrota porque as pessoas irão culpar a questão financeira. Por isso, só nos resta ganhar - disse o meia Christian Atsu, atleta do Chelsea.

Resolvida a questão financeira, Gana realizou o último treino antes de enfrentar Portugal, amanhã, às 13 horas. Os atletas foram se exercitar no Centro de Capacitação Física do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal e, durante a movimentação, chegaram a dançar para descontrair o ambiente.