icons.title signature.placeholder Luiz Signor
icons.title signature.placeholder Luiz Signor
23/07/2013
09:04

Conquistar a Copa Libertadores pela primeira vez em sua história. Esse é o objetivo do Atlético-MG nesta quarta, diante do Olimpia, no Mineirão. Mas para alcançar esse objetivo, o Galo terá de se juntar a um seleto grupo que conta apenas com o Cruzeiro-1976, São Paulo-1992 e Palmeiras-1999. Essas três equipes brasileiras perderam o primeiro jogo, mas deram a volta por cima na partida de volta.

O Galo, derrotado por 2 a 0 no Paraguai, tem a missão de fazer com que o Olimpia acompanhe River Plate (ARG), Newell's Old Boys (ARG) e Deportivo Cali (COL), respectivamente, como os times superados pelo trio brasileiro (veja abaixo).

Mas o Atlético, que vem alternado boas e más apresentações na reta final da Libertadores, tem condições de buscar essa nova reação, assim como aconteceu diante do Newell's na semifinal e alcançar esse tão sonhado título? O ex-atacante Marques, 386 jogos pelo Galo, mostra confiança no Alvinegro.

– Não se pode duvidar desse time, que já deu provas do que é capaz nas duas últimas eliminatórias. Como atleticano, torço muito para que o Ronaldinho possa fazer a diferença. E o Mineirão sempre foi a casa do Atlético e fará a diferença – destacou o hoje deputado estadual (PTB-MG), de 133 gols em 386 partidas com a camisa do Galo, ao LANCE!Net.

Já outro ex-atacante está preocupado. Dadá Maravilha, segundo maior artilheiro do Atlético com 231 gols em 290 jogos, ele espera que Bernard, de volta ao time após cumprir suspensão no Defensores del Chaco, faça a diferença.

– O Atlético está caindo e nessas últimas partidas chegou ao ponto de ser ridículo fora de casa. Está entre a cruz e a espada e não vem jogando há muito tempo o futebol que deixou o mundo encantado. É como dizem: caiu no Horto, tá morto. Saiu do Horto, tá morto. Mas graças a Deus, o menino, o bambino de ouro, Bernard, vai voltar. Com ele o time fica mais forte – disse o ídolo alvinegro, ao L!Net.

Que o Atlético se inspire no passado de superação dos brasileiros e amplie essa seleta lista nesta quarta.

BATE BOLA
Dadá Maravilha

Ex-atacante do Atlético, ao LANCE!Net

O Atlético perde muito sem poder atuar no Independência ou o Mineirão pode cumprir seu papel?

O Atlético tem esse ponto contra, pois estava acostumado a jogar na Arena Independência, um campo pequeno, parecido com La Bombonera. Lá, o grito da torcida vem de cima para baixo e arrebenta com qualquer tímpano. Já no Mineirão, o campo fica longe do torcedor e o grito não passa nem do umbigo. O Atlético fez do Independência um caldeirão, é imbatível lá. As chances do Olimpia aumentaram.

E o que mais te preocupa nesse time do Olimpia?

O Olimpia tem um grande goleiro, uma defesa que rebate tudo e vive de contra-ataques. Hoje, o Olimpia é favorito. Fora do Independência o Atlético não é tão forte.

A Massa atleticana fará a diferença, mesmo no Mineirão?

O Atlético tem uma torcida extraordinária e será muito importante. Quero dizer que a torcida do Olimpia encantou, eles levaram os jogadores no colo. Agora, a torcida do Atlético vai ter que superar o apoio que a deles mostrou no Paraguai, assim como o time terá de superar o Olimpia em campo.

COM A PALAVRA
Marques
Ex-atacante do Atlético, ao L!Net

Acho que, acima de tudo, o Atlético terá de ter uma mobilidade ofensiva totalmente diferente da vista no Paraguai. Agente reparou que quanto o ataque apostou corrida contra a defesa, as oportunidades de gol aconteceram, principalmente com o Tardelli. E com a volta do Bernard, o Atlético terá velocidade pelos dois lados. Mas não será fácil. Olimpia mostrou muita força defensiva, tem grandes jogadores, marcou muito bem o Ronaldinho.

Embora poucos jogadores desse time tenham tido a experiência de atuar no Mineirão, não vejo como um ponto negativo. Só o Tardelli teve uma sequência no Mineirão. Mas o Mineirão sempre foi a casa do Atlético. Serão três vezes mais torcedores apoiando o time em campo, um apoio marcante, maciço. A torcida do Atlético sempre faz a diferença. Além disso, o Mineirão vai dar a oportunidade para um maior número de torcedores comemorar esse possível título.

REPETE, ATLÉTICO!

Veja quando um time brasileiro perdeu o primeiro jogo, mas levou a Libertadores. Cruzeiro é um deles!

1976 - Cruzeiro campeão
1º jogo - River Plate (ARG) 2x1 Cruzeiro
2º jogo - Cruzeiro 3x2 River Plate (ARG)

1992 - São Paulo campeão
1º jogo - Newell's Old Boys (ARG) 1x0 São Paulo
2º jogo - São Paulo 1(3)x(2)0 Newell's Old Boys (ARG)

1999 - Palmeiras campeão
1º jogo - Deportivo Cali (COL)1x0 Palmeiras
2º jogo - Palmeiras 2(4)x(3)1 Deportivo Cali (COL)

NÃO REPETE, GALO!

E lembre quando um time do Brasil não levou a Libertadores após ser derrotado no primeiro jogo da final.

Palmeiras-1961 e 1968
Peñarol e Independiente venceram o Palmeiras nos primeiros jogos daquelas finais por 1 a 0 e 2 a 1, respectivamente.

Cruzeiro-1977
O Boca Juniors foi o algoz da Raposa, derrotada no primeiro jogo por 1 a 0.

Grêmio-1984 e 2007
Independente impediu o bi do Grêmio e o Boca Juniors evitou o tri anos depois. Derrotas por 1 a 0 e 2 a 0, respectivamente, nos primeiros jogos.

São Paulo-1994
Vélez Sarsfield evitou o tri são-paulino. Primeiro jogo terminou 1 a 0 para os hermanos.

Fluminense-2008
A LDU foi a algoz do Tricolor carioca ao vencer por 4 a 2 em Quito e, no Maracanã, levar o título.

Torcida manda vídeos de incentivo ao Galo

Conquistar a Copa Libertadores pela primeira vez em sua história. Esse é o objetivo do Atlético-MG nesta quarta, diante do Olimpia, no Mineirão. Mas para alcançar esse objetivo, o Galo terá de se juntar a um seleto grupo que conta apenas com o Cruzeiro-1976, São Paulo-1992 e Palmeiras-1999. Essas três equipes brasileiras perderam o primeiro jogo, mas deram a volta por cima na partida de volta.

O Galo, derrotado por 2 a 0 no Paraguai, tem a missão de fazer com que o Olimpia acompanhe River Plate (ARG), Newell's Old Boys (ARG) e Deportivo Cali (COL), respectivamente, como os times superados pelo trio brasileiro (veja abaixo).

Mas o Atlético, que vem alternado boas e más apresentações na reta final da Libertadores, tem condições de buscar essa nova reação, assim como aconteceu diante do Newell's na semifinal e alcançar esse tão sonhado título? O ex-atacante Marques, 386 jogos pelo Galo, mostra confiança no Alvinegro.

– Não se pode duvidar desse time, que já deu provas do que é capaz nas duas últimas eliminatórias. Como atleticano, torço muito para que o Ronaldinho possa fazer a diferença. E o Mineirão sempre foi a casa do Atlético e fará a diferença – destacou o hoje deputado estadual (PTB-MG), de 133 gols em 386 partidas com a camisa do Galo, ao LANCE!Net.

Já outro ex-atacante está preocupado. Dadá Maravilha, segundo maior artilheiro do Atlético com 231 gols em 290 jogos, ele espera que Bernard, de volta ao time após cumprir suspensão no Defensores del Chaco, faça a diferença.

– O Atlético está caindo e nessas últimas partidas chegou ao ponto de ser ridículo fora de casa. Está entre a cruz e a espada e não vem jogando há muito tempo o futebol que deixou o mundo encantado. É como dizem: caiu no Horto, tá morto. Saiu do Horto, tá morto. Mas graças a Deus, o menino, o bambino de ouro, Bernard, vai voltar. Com ele o time fica mais forte – disse o ídolo alvinegro, ao L!Net.

Que o Atlético se inspire no passado de superação dos brasileiros e amplie essa seleta lista nesta quarta.

BATE BOLA
Dadá Maravilha

Ex-atacante do Atlético, ao LANCE!Net

O Atlético perde muito sem poder atuar no Independência ou o Mineirão pode cumprir seu papel?

O Atlético tem esse ponto contra, pois estava acostumado a jogar na Arena Independência, um campo pequeno, parecido com La Bombonera. Lá, o grito da torcida vem de cima para baixo e arrebenta com qualquer tímpano. Já no Mineirão, o campo fica longe do torcedor e o grito não passa nem do umbigo. O Atlético fez do Independência um caldeirão, é imbatível lá. As chances do Olimpia aumentaram.

E o que mais te preocupa nesse time do Olimpia?

O Olimpia tem um grande goleiro, uma defesa que rebate tudo e vive de contra-ataques. Hoje, o Olimpia é favorito. Fora do Independência o Atlético não é tão forte.

A Massa atleticana fará a diferença, mesmo no Mineirão?

O Atlético tem uma torcida extraordinária e será muito importante. Quero dizer que a torcida do Olimpia encantou, eles levaram os jogadores no colo. Agora, a torcida do Atlético vai ter que superar o apoio que a deles mostrou no Paraguai, assim como o time terá de superar o Olimpia em campo.

COM A PALAVRA
Marques
Ex-atacante do Atlético, ao L!Net

Acho que, acima de tudo, o Atlético terá de ter uma mobilidade ofensiva totalmente diferente da vista no Paraguai. Agente reparou que quanto o ataque apostou corrida contra a defesa, as oportunidades de gol aconteceram, principalmente com o Tardelli. E com a volta do Bernard, o Atlético terá velocidade pelos dois lados. Mas não será fácil. Olimpia mostrou muita força defensiva, tem grandes jogadores, marcou muito bem o Ronaldinho.

Embora poucos jogadores desse time tenham tido a experiência de atuar no Mineirão, não vejo como um ponto negativo. Só o Tardelli teve uma sequência no Mineirão. Mas o Mineirão sempre foi a casa do Atlético. Serão três vezes mais torcedores apoiando o time em campo, um apoio marcante, maciço. A torcida do Atlético sempre faz a diferença. Além disso, o Mineirão vai dar a oportunidade para um maior número de torcedores comemorar esse possível título.

REPETE, ATLÉTICO!

Veja quando um time brasileiro perdeu o primeiro jogo, mas levou a Libertadores. Cruzeiro é um deles!

1976 - Cruzeiro campeão
1º jogo - River Plate (ARG) 2x1 Cruzeiro
2º jogo - Cruzeiro 3x2 River Plate (ARG)

1992 - São Paulo campeão
1º jogo - Newell's Old Boys (ARG) 1x0 São Paulo
2º jogo - São Paulo 1(3)x(2)0 Newell's Old Boys (ARG)

1999 - Palmeiras campeão
1º jogo - Deportivo Cali (COL)1x0 Palmeiras
2º jogo - Palmeiras 2(4)x(3)1 Deportivo Cali (COL)

NÃO REPETE, GALO!

E lembre quando um time do Brasil não levou a Libertadores após ser derrotado no primeiro jogo da final.

Palmeiras-1961 e 1968
Peñarol e Independiente venceram o Palmeiras nos primeiros jogos daquelas finais por 1 a 0 e 2 a 1, respectivamente.

Cruzeiro-1977
O Boca Juniors foi o algoz da Raposa, derrotada no primeiro jogo por 1 a 0.

Grêmio-1984 e 2007
Independente impediu o bi do Grêmio e o Boca Juniors evitou o tri anos depois. Derrotas por 1 a 0 e 2 a 0, respectivamente, nos primeiros jogos.

São Paulo-1994
Vélez Sarsfield evitou o tri são-paulino. Primeiro jogo terminou 1 a 0 para os hermanos.

Fluminense-2008
A LDU foi a algoz do Tricolor carioca ao vencer por 4 a 2 em Quito e, no Maracanã, levar o título.

Torcida manda vídeos de incentivo ao Galo