icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
23/07/2013
17:20

Alexandre Gallo, responsável pelo comando das categorias de base da Seleção Brasileira, reafirmou seu empenho em implementar uma nova mentalidade entre os jovens jogadores. Em entrevista ao "O Estado de São Paulo" nesta terça-feira, Gallo disse que o caráter dos jogadores e o comprometimento com o trabalho são mais importantes do que a capacidade técnica, assim como já havia revelado ao LANCE!Net, no mês passado.

- Eu vou implantar uma nova mentalidade na base. Não tem mais brinco, não tem fone de ouvido, não tem cabelo, marra, nada. Os que têm, estão fora. Só jogadores comprometidos serão convocados. O grande lance é o que aconteceu na Copa das Confederações. Por que todo mundo gostou do Brasil? Porque houve comprometimento e cumplicidade no trabalho. Os jogadores eram quase os mesmos de antes, mas o comprometimento mudou - disse ao "O Estado de São Paulo".

De acordo com a ideia de Gallo, Neymar, eleito o melhor jogador da Copa das Confederações, dificilmente seria convocado para a Seleção de base, já que o craque gosta de abusar no visual e já usava brincos, tatuagens e cabelos difrentes ainda nas categorias de base. Ele não chegou a ser citado pelo coordenador na entrevista, mas o atacante Gabriel, também conhecido como Gabigol, parece que já se enquandrou no seu estilo linha dura:

- Tem um menino sub-15 do Grêmio que é um craque, mas num torneio que vi ele se recusou a dar a mão para o técnico e usava um cabelo cortado com a inicial do seu nome e o número 10. E está fora da seleção. O Gabriel (Gabigol) só foi chamado agora para a sub-17, porque mudou o seu comportamento. O pessoal dos clubes tem me agradecido muito por essa postura.

A preocupação com jovens atletas não é uma novidade no futebol. Alex Fergusson, ex-treinador do Manchester United (ING), proibiu que jogadores com menos de 23 anos aceitassem carros da patrocinadora do clube, além do uso de chuteiras coloridas nas divisões de base.

Alexandre Gallo, responsável pelo comando das categorias de base da Seleção Brasileira, reafirmou seu empenho em implementar uma nova mentalidade entre os jovens jogadores. Em entrevista ao "O Estado de São Paulo" nesta terça-feira, Gallo disse que o caráter dos jogadores e o comprometimento com o trabalho são mais importantes do que a capacidade técnica, assim como já havia revelado ao LANCE!Net, no mês passado.

- Eu vou implantar uma nova mentalidade na base. Não tem mais brinco, não tem fone de ouvido, não tem cabelo, marra, nada. Os que têm, estão fora. Só jogadores comprometidos serão convocados. O grande lance é o que aconteceu na Copa das Confederações. Por que todo mundo gostou do Brasil? Porque houve comprometimento e cumplicidade no trabalho. Os jogadores eram quase os mesmos de antes, mas o comprometimento mudou - disse ao "O Estado de São Paulo".

De acordo com a ideia de Gallo, Neymar, eleito o melhor jogador da Copa das Confederações, dificilmente seria convocado para a Seleção de base, já que o craque gosta de abusar no visual e já usava brincos, tatuagens e cabelos difrentes ainda nas categorias de base. Ele não chegou a ser citado pelo coordenador na entrevista, mas o atacante Gabriel, também conhecido como Gabigol, parece que já se enquandrou no seu estilo linha dura:

- Tem um menino sub-15 do Grêmio que é um craque, mas num torneio que vi ele se recusou a dar a mão para o técnico e usava um cabelo cortado com a inicial do seu nome e o número 10. E está fora da seleção. O Gabriel (Gabigol) só foi chamado agora para a sub-17, porque mudou o seu comportamento. O pessoal dos clubes tem me agradecido muito por essa postura.

A preocupação com jovens atletas não é uma novidade no futebol. Alex Fergusson, ex-treinador do Manchester United (ING), proibiu que jogadores com menos de 23 anos aceitassem carros da patrocinadora do clube, além do uso de chuteiras coloridas nas divisões de base.