icons.title signature.placeholder Amir Somoggi
27/12/2013
07:09

O ano que se encerra teve um futebol brasileiro muito aquém de sua real potencialidade. Dentro de campo, nossa temporada foi bem ruim, mas com grandes méritos para o Cruzeiro, Atlético-MG e Flamengo na conquista de seus títulos.

O ano de 2014 se inicia, como todos os anos com os estaduais e uma temporada dura, com a parada para a Copa do Mundo, num cenário político bem diferente de anos anteriores. As reivindicações do Bom Senso FC e a eleição na CBF podem servir de impulso para mudanças profundas no futebol brasileiro.

O ano da Copa no Brasil também será o momento de vivenciarmos a inauguração de mais arenas, que podem impulsionar as receitas do nosso mercado. Um novo calendário mais racional que respeite as datas Fifa, um investimento pesado na internacionalização de nossas competições, redução da violência nos estádios, um desenvolvimento de projetos que levem o torcedor para os jogos, as experiências de consumo nas novas arenas, são alguns dos exemplos de ações imediatas que temos que tomar.

Para os clubes brasileiros, estimo um ano complicado em termos financeiros, já que sem os valores das luvas da TV, que entraram em 2012, projetei que neste ano que passou os déficits aumentarão.

O ano de 2014 precisa servir de início de um novo futebol brasileiro, pensado estrategicamente. O Brasil, segundo meus cálculos, é o sexto mercado do futebol mundial, e deve figurar no quinto posto no ano que vem.

Foi o mercado que mais cresceu nos últimos três anos, junto com o da Rússia e o da Turquia. Temos, portanto, todos os elementos para instituir mudanças que nos elevem de patamar.

Todos os envolvidos com futebol: CBF, Federações, clubes, patrocinadores, setor público e mídia precisam pensar em como contribuir nesse processo de mudança.

Os torcedores precisam ser respeitados e motivados a expressar seu amor por seu clube em projetos de marketing e comunicação cada vez mais criativos e bem estruturados.

E esse torcedor, nesse novo ambiente, ficará extremamente satisfeito, pois seu clube com mais dinheiro em caixa, poderá montar times competitivos e ter grandes craques.