icons.title signature.placeholder Bruno Braz
icons.title signature.placeholder Bruno Braz
18/07/2013
17:03

Após reunião com o secretário de Esporte e Lazer do estado, André Lazaroni, e o Grupamento Especial de Policiamento nos Estádios (Gepe), a Federação de Torcidas Organizadas do Rio (FTORJ) deixou o encontro reclamando de duas questões: o não comparecimento de representantes do consórcio que administra o Maracanã e a probição da venda de produtos próprios no clássico deste domingo entre Vasco e Fluminense.

A FTORJ, que reúne componentes das organizadas dos quatro grandes do Rio, alega que a venda dos produtos das torcidas em dias de clássicos acaba sendo uma das principais fontes de renda.

As autoridades, no entanto, deixam em aberto a possibilidade de liberar a comercialização futuramente, mediante o bom comportamento das organizadas.


A Força Jovem do Vasco fez uma reclamação a parte pelo não comparecimento do consórcio. Eles pretendiam apresentar seus argumentos sobre a decisão de mudar a entrada da torcida da rampa da Uerj para o Bellini, o que vem causando uma grande polêmica.

LEIA MAIS:
> Bagunça marca início das vendas e retirada de ingressos no Maracanã
> Reunião libera bumbos, bandeiras e torcedores sem camisa no Maracanã
> Vascaínos compram ingressos em São Januário e se preocupam com troca
> Após briga com Flu, Dinamite dispara: 'Como torcedor, não iria ao clássico'
> Situação das cadeiras cativas para o clássico entre Flu e Vasco está definida
> Secretário de Esporte é contra inversão de torcidas, mas respeita Fluminense
> Para PM, inversão de torcidas no Maracanã para o clássico foi o melhor
> Eurico convoca torcida a comprar ingressos para lado direito do Maraca
> Após racha, Ferj abre caminho para Vasco mandar clássico na Colina

Após reunião com o secretário de Esporte e Lazer do estado, André Lazaroni, e o Grupamento Especial de Policiamento nos Estádios (Gepe), a Federação de Torcidas Organizadas do Rio (FTORJ) deixou o encontro reclamando de duas questões: o não comparecimento de representantes do consórcio que administra o Maracanã e a probição da venda de produtos próprios no clássico deste domingo entre Vasco e Fluminense.

A FTORJ, que reúne componentes das organizadas dos quatro grandes do Rio, alega que a venda dos produtos das torcidas em dias de clássicos acaba sendo uma das principais fontes de renda.

As autoridades, no entanto, deixam em aberto a possibilidade de liberar a comercialização futuramente, mediante o bom comportamento das organizadas.


A Força Jovem do Vasco fez uma reclamação a parte pelo não comparecimento do consórcio. Eles pretendiam apresentar seus argumentos sobre a decisão de mudar a entrada da torcida da rampa da Uerj para o Bellini, o que vem causando uma grande polêmica.

LEIA MAIS:
> Bagunça marca início das vendas e retirada de ingressos no Maracanã
> Reunião libera bumbos, bandeiras e torcedores sem camisa no Maracanã
> Vascaínos compram ingressos em São Januário e se preocupam com troca
> Após briga com Flu, Dinamite dispara: 'Como torcedor, não iria ao clássico'
> Situação das cadeiras cativas para o clássico entre Flu e Vasco está definida
> Secretário de Esporte é contra inversão de torcidas, mas respeita Fluminense
> Para PM, inversão de torcidas no Maracanã para o clássico foi o melhor
> Eurico convoca torcida a comprar ingressos para lado direito do Maraca
> Após racha, Ferj abre caminho para Vasco mandar clássico na Colina