icons.title signature.placeholder Igor Siqueira
26/06/2014
09:32

Goleiro da seleção dos EUA por 12 anos, tendo se afastado em 2005 da equipe, Brad Friedel não vê o desempenho dos ex-colegas como surpreendente nesta Copa do Mundo. Ele, que aos 43 anos está em atividade pelo Tottenham, mas veio ao Brasil como comentarista, conversou com o LANCE!Net antes do jogo entre Equador e França e avaliou o desempenho do seu país.

- Não é uma surpresa. Estamos em um grupo muito difícil. Temos um bom time, uma equipe competitiva. Mas o trabalho não acabou ainda. Tem um jogo muito complicado contra a Alemanha. Temos que esperar que o resultado entre Gana e Portugal também seja favorável - disse Friedel, sem querer entrar em polêmica ao ser indagado se o técnico Jürgen Klinsmann acertou ao não convocar Landon Donovan para o Mundial:

- Vamos esperar para ver.

Friedel também analisou o desempenho dos companheiros de função nesta Copa.

- Como em toda Copa do Mundo, alguns goleiros estão indo muito bem e outros erram. Mas acho que a maioria dos que estão aqui são de ótimo nível. Eu gosto muito do goleiro do Chile, Bravo, o da Costa Rica, Navas, tem também o dos Estados Unidos, Howard, que fez defesas importantes. Ainda tem Courtois, Julio Cesar... todos eles me impressionaram - disse ele.


Friedel é cerca de um mês mais velho do que outro goleiro que chamou a atenção no Mundial: Faryd Mondragón, que bateu um recorde e passou a ser o jogador mais velho a atuar em Copas do Mundo.

- Seria um esforço muito grande ter continuado a jogar por clube e seleção por todos esses anos. Não sei se conseguiria. Mas é um grande feito estar com 43 anos aqui. Foi um dos momentos mais especiais da Copa do Mundo o técnico ter colocado ele em campo - elogiou.

O goleiro americano é companheiro do volante Paulinho no time inglês, com quem renovou contrato por mais uma temporada, e foi só elogios ao brasileiro, mas sem querer entrar na discussão sobre a permanência do jogador entre os titulares da Seleção.

- Eu adoro o Paulinho. Ele é um ótimo cara, é um bom jogador. Ele pode atacar e defender muito bem. É um ótimo profissional. Se ele vai perder a vaga de titular? Não me pergunte isso... Não sou o Felipão. Não acompanho o treino todo o dia - disse ele, emendando com uma análise geral sobre a Copa-2014:

- Acho que o futebol ofensivo de todas as seleções impressionaram muito a todos. As condições aqui são diferentes. Os sul-americanos estão mais acostumados. Os jogos estão começando às 13h...Mas França e Alemanha tem um ótimo time e têm condições.

Estados Unidos e Alemanha se enfrentam nesta quinta-feira, justamente no horário citado por Friedel.