icons.title signature.placeholder Marcello Vieira e Rodrigo Lois
icons.title signature.placeholder Marcello Vieira e Rodrigo Lois
15/07/2013
07:05

Os jogadores do Fluminense estão com os salários referentes ao mês de junho atrasados. O clube ainda não tem previsão de quando quitará os pagamentos. Esse problema já havia ocorrido no mês anterior, mas fora solucionado através da antecipação das mensalidades dos sócios. A diretoria conseguiu que não houvesse acúmulo de meses.

Por outro lado, os vencimentos mais baixos da folha salarial do Flu (que gira em torno de R$ 2,1 milhões), compostos pelos funcionários mais simples, estão em dia. Parte do elenco do departamento de futebol recebe diretamente da principal patrocinadora, a Unimed-Rio. Estes não entram na conta do clube.

E MAIS

> Excluído da Timemania, Fluminense volta a enfrentar atraso de salários
> Fluminense adota o silêncio sobre a penhora da venda de Wellington Nem

O Flu tem enfrentado muitas dificuldades financeiras em consequência das penhoras sobre as cotas de TV (no valor de aproximadamente R$ 3 milhões mensais) e as fracas receitas de bilheteria no ano. Como se não bastasse, há a questão das penhoras em cima do montante adquirido com a venda dos direitos econômicos do atacante Wellington Nem, realizada pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN). O Flu tenta negociar em Brasília a liberação desta verba.

Os jogadores do Fluminense estão com os salários referentes ao mês de junho atrasados. O clube ainda não tem previsão de quando quitará os pagamentos. Esse problema já havia ocorrido no mês anterior, mas fora solucionado através da antecipação das mensalidades dos sócios. A diretoria conseguiu que não houvesse acúmulo de meses.

Por outro lado, os vencimentos mais baixos da folha salarial do Flu (que gira em torno de R$ 2,1 milhões), compostos pelos funcionários mais simples, estão em dia. Parte do elenco do departamento de futebol recebe diretamente da principal patrocinadora, a Unimed-Rio. Estes não entram na conta do clube.

E MAIS

> Excluído da Timemania, Fluminense volta a enfrentar atraso de salários
> Fluminense adota o silêncio sobre a penhora da venda de Wellington Nem

O Flu tem enfrentado muitas dificuldades financeiras em consequência das penhoras sobre as cotas de TV (no valor de aproximadamente R$ 3 milhões mensais) e as fracas receitas de bilheteria no ano. Como se não bastasse, há a questão das penhoras em cima do montante adquirido com a venda dos direitos econômicos do atacante Wellington Nem, realizada pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN). O Flu tenta negociar em Brasília a liberação desta verba.