icons.title signature.placeholder Marcello Vieira
18/12/2013
07:14

O ambiente hostil criado ao Fluminense pela permanência na Série A, após o resultado do julgamento da última segunda-feira no STJD, uniu os tricolores como há muito não se via. Nas redes sociais, a cada ataque à imagem da instituição, é possível notar defesas inflamadas como resposta. Situação que cria um novo desafio ao departamento de marketing sobre como transformar o processo de vilanização do Flu em engajamento de torcedores que tornaram-se autênticos defensores da marca do clube na última semana.

– O Fluminense não estava sendo julgado no tribunal, mas pela opinião pública. Alguns setores da imprensa na visão dos torcedores e na nossa também acuaram os tricolores e fizeram com que eles se unissem em torno do clube. A grande missão do marketing do Fluminense é transformar esse engajamento em algo positivo para o clube. Torcedores que antes divergiam por outras questões se abraçaram e falaram: o Fluminense é a gente também. O papel do marketing, portanto, independentemente do resultado do julgamento no pleno, é transformar essa união em algo estável, perene e contínuo para o Flu. Quem fez o principal papel de defesa institucional foi o torcedor – analisou o gerente de marketing, Alexandre Vasconcelos.

E MAIS
- Lusa usará 'BID da Suspensão' para colocar CBF como coautora do erro
- Advogado do Flu vê Flamengo como maior beneficiado após punição à Lusa 
- Opinião de Torcedor: Levanta, Fluminense! 

Neste sentido, a principal meta do departamento de marketing do Fluminense é se aproximar ainda mais do torcedor e fidelizá-lo ao clube de forma definitiva.

– Teremos um investimento muito forte em conteúdo e interação. O Fluminense vai ficar cada vez mais digital, forte, como uma forma de chegar em todos os territórios. O objetivo é conhecer nosso torcedor e ser talvez o clube mais voltado a ele, ao modelo democrático no Brasil. O clube que melhor conhece seu torcedor – explicou Alexandre Vasconcelos.

Plano de sócios pode ser grande beneficiado

O ambiente que se forma entre os tricolores também pode criar um clima propício para maximizar o número de associados do clube, principal meta da gestão. Atualmente, cerca de 27 mil tricolores estão inscritos nos programas de sócios. Em entrevista recente, o presidente Peter Siemsen revelou um ousado objetivo de atingir 100 mil associados em 2016. 

Cabe lembrar que os sócios foram a principal fonte de receitas do Tricolor em grande parte desta temporada devido à situação de asfixia financeira decorrente das penhoras. O Fluminense conseguiu pagar meses de salários atrasados usando a antecipação das receitas da categoria. 

O gerente de marketing, Alexandre Vasconcelos, mostra otimismo em relação ao projeto de associados.

– Mesmo nas situações mais difíceis, o número de associados cresce. O torcedor abraçou o clube e ser sócio também faz parte do processo de defesa institucional. 

Com a palavra - Idel Halfen - Vice de Marketing do Fluminense

"Na Série A, teremos metas diferentes. Claro que temos de aguardar a decisão do pleno do STJD, mas o planejamento do marketing vai mudar até em função das praças que nós iríamos visitar jogando a Série B. Na Série A são investimentos diferentes, prioridades diferentes. Faremos o planejamento em função disso. Nossa sorte é que o tempo que passou foi curto e não tinha dado ainda para fechar o planejamento da outra divisão. Estávamos numa fase em que as mudanças não serão tão drásticas assim. Colocaremos em prática neste planejamento tudo o que envolve o Fluminense para 2014, como a vinda do Conca e as questões que vão se formando."