icons.title signature.placeholder Marcello Vieira
icons.title signature.placeholder Marcello Vieira
05/07/2013
16:01

O Fluminense tentou levar o jogo contra o Internacional, no dia 13 de julho, pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro, para o Estádio Mané Garrinha, no Distrito Federal. A ideia da diretoria tricolor era privilegiar os sócios torcedores do clube, uma vez que a cidade de Brasília registra o segundo maior número de associados da instituição.

Neste sentido, o gerente de arenas, Carlos Eduardo Moura, chegou a viajar na última semana para o local com o intuito de conhecer as condições para o Tricolor atuar na região, contudo, não conseguiu chegar a um denominador comum dentro do prazo pré-estabelecido para uma definição - até a última quarta-feira. A situação frustrou a expectativa de alguns torcedores, contudo, o dirigente salientou que não houve alternativa. Para ele, o Flu precisa estrear no Mané Garrincha numa ocasião especial.

- Diferentemente do que muitos pensaram, não fizemos uma escolha. A verdade é que tentamos jogar no Distrito Federal até o último momento do prazo e chegamos a abrir mão de algumas questões, mas não foi possível. Nosso momento para jogar no Mane Garrincha precisa ser marcante, singular.

Carlos Eduardo afirmou que o Fluminense deverá jogar em Brasília no returno e acredita no potencial estratégico da cidade para maximizar a média de arrecadação do clube, que enfrenta graves problemas financeiros. A partida entre Flu e Inter está confirmada para ocorrer no Moacyrzão, em Macaé.

Abel diz que time está motivado para clássico diferente

O Fluminense tentou levar o jogo contra o Internacional, no dia 13 de julho, pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro, para o Estádio Mané Garrinha, no Distrito Federal. A ideia da diretoria tricolor era privilegiar os sócios torcedores do clube, uma vez que a cidade de Brasília registra o segundo maior número de associados da instituição.

Neste sentido, o gerente de arenas, Carlos Eduardo Moura, chegou a viajar na última semana para o local com o intuito de conhecer as condições para o Tricolor atuar na região, contudo, não conseguiu chegar a um denominador comum dentro do prazo pré-estabelecido para uma definição - até a última quarta-feira. A situação frustrou a expectativa de alguns torcedores, contudo, o dirigente salientou que não houve alternativa. Para ele, o Flu precisa estrear no Mané Garrincha numa ocasião especial.

- Diferentemente do que muitos pensaram, não fizemos uma escolha. A verdade é que tentamos jogar no Distrito Federal até o último momento do prazo e chegamos a abrir mão de algumas questões, mas não foi possível. Nosso momento para jogar no Mane Garrincha precisa ser marcante, singular.

Carlos Eduardo afirmou que o Fluminense deverá jogar em Brasília no returno e acredita no potencial estratégico da cidade para maximizar a média de arrecadação do clube, que enfrenta graves problemas financeiros. A partida entre Flu e Inter está confirmada para ocorrer no Moacyrzão, em Macaé.

Abel diz que time está motivado para clássico diferente