icons.title signature.placeholder David Nascimento e Pedro Barboza
13/06/2014
13:53

O Flamengo está sendo alvo de inquérito no Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), em razão de perturbação sonora aos moradores do condomínio Selva de Pedra, localizado próximo à academia de remo e da própria sede da Gávea. Um dos moradores do local resolveu entrar com uma representação no MPRJ devido às festas realizadas nas dependências do Flamengo, cedidas pela União, por meio de promotores de evento. Os ofícios do MPRJ são os 305, 306 e 307 de 2014. 

– Sofremos muito, o local está sendo utilizado e causa  transtorno aos moradores. Além do caos urbano. Cobramos da prefeitura do Rio de Janeiro e um morador entrou com representação no Ministério Público, que acabou abrindo o inquérito – disse Denise Corrêa, presidente da Associação dos Condomínios Desenvolvimento Selva de Pedra (Adespe), ao LANCE!Net.

E MAIS!
> Flamengo vota nesta sexta-feira novo empréstimo e patrocínio
> Com André Santos em baixa, argentino Milton Casco é sondado pelo Fla
> Erro na construção de projeto faz Flamengo ‘perder’ milhões no esporte olímpico

O LANCE!Net teve acesso à carta divulgada pela Adespe ao Flamengo, moradores do condomínio e ao Ministério Público. Confira a íntegra abaixo.

"O tresloucado inferno sonoro, proveniente de eventos realizados na Academia de Remo do C. R. Flamengo e nas dependências do próprio clube, tem perturbado o sono, o sossego, o repouso e a tranquilidade dos moradores do no interior de seus apartamentos, inclusive provocando desordem urbana no entorno, área de grande circulação veicular.

O espaço ocupado pela Academia de Remo, se refere a uma área cedida pela União, ao C. R. Flamengo com destinação à prática de um esporte específico.

Porém, o C. R. Flamengo corrompe a sua destinação e, com desvio de finalidade, aluga aos promotores de eventos, que realizam atividades com tresloucado inferno sonoro, a céu aberto, com as consequências já mencionadas.

O direito do morador ao repouso e ao sono, no interior de seu apartamento é tutelado por lei e as autoridades não utilizam seus poderes coativos na tutela desse direito inalienável dos moradores da nossa comunidade.

O Presidente do C. R. Flamengo não teve a sensibilidade e ignorou os diversos pedidos da ADESPE para uma audiência, com vistas a um entendimento conciliatório na busca de uma convivência sadia e harmoniosa, fundamentada no respeito às Normas de Boa Vizinhança.

Essa alienação institucional, com os moradores da Selva de Pedra agredidos e violentados pelo tresloucado inferno sonoro dos eventos realizados no C. R. Flamengo, que assim procede reiteradamente na certeza da impunidade e consentidos, dolosamente, pelas autoridades, despertaram os nossos brios cívicos para o exercício da cidadania na garantia daquilo que nos é de direito, como cidadãos, como contribuintes e como integrantes de uma  comunidade organizada, ordeira e disciplinada.

Com algumas ações cautelares já iniciadas pela ADESPE, um morador da Selva de Pedra, acrescentou, por seu livre arbítrio e iniciativa pessoal, uma comunicação formal do fato ao Ministério Público, na certeza dessa respeitável instituição ser a última trincheira e baluarte na salvaguarda da ordem institucional e na tutela dos direitos do cidadão contribuinte.

Em consequência o Ministério Público instalou um Inquérito e já foram encaminhados expedientes citando as seguintes instituições:

 Ofícios:

 . 305/2014 – 02 JUN: C.R. Flamengo

 . 306/2014 – 02 JUN: Secretaria Municipal do Meio Ambiente – SMAC

 . 307/2014 – 02 JUN: Instituto Rio Patrimônio da Humanidade – IRPH 

Estão em curso providências para que, também, sejam citados no referido Inquérito o Sr. Eduardo Bandeira de Melo – Presidente do Flamengo e o Sr. Bruno Ramos – Subprefeito da Zona Sul.

A ADESPE, com o seu dever cívico e permanentemente empenhada no exercício de suas atribuições com vistas ao bem comum dos moradores da Selva de Pedra, cumprimenta e louva a atitude desse morador que, movido por uma exemplar consciência comunitária e no exercício saudável da cidadania, congregou seus esforços pessoais com os da nossa Diretoria,  para dar um basta final nesse tresloucado inferno sonoro do C. R. Flamengo, que insiste impor esse cruel suplício aos moradores da Selva de Pedra no interior de seus apartamentos.

Prezados Moradores da Selva de Pedra.... em face do exposto, embora não solicitado, a Diretoria da ADESPE, colocou o nosso Advogado a disposição do referido morador para o suporte jurídico que se fizer necessário.

Como cidadãos, contribuintes de tributos e de votos, permaneçamos mobilizados no exercício saudável da cidadania em congregação de esforços com as autoridades na busca do bem comum."