icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
12/02/2015
22:13

Uma vez Flamengo, 200 vezes Flamengo! O Rubro-Negro é o primeiro time a alcançar a marca das 200 vitórias na história do NBB. Após superar o Palmeiras, nesta quinta-feira, fora de casa, por 89 a 85, o "mais querido do Brasil" conquistou o feito inédito, sem contar que manteve a sequência de cinco triunfos consecutivos na competição.

O Flamengo venceu as últimas cinco partidas que realizou no NBB 7, contra Minas, Uberlândia, Franca e Pinheiros, e agora, Palmeiras. Esse é o 16º resultado positivo da equipe do técnico José Neto em 22 jogos disputados (72,7% de aproveitamento), o que os mantém na terceira colocação no campeonato.

Na partida, os alas Marquinhos e Vitor Benite foram os cestinhas do jogo, com 24 e 23 pontos, respectivamente. Os argentinos Nico Laprovittola e Walter Herrmann também se destacaram com um duplo-duplo cada um. O armador anotou 19 pontos e 11 assistências, enquanto o ala/pivô terminou a partida com 12 pontos e 10 rebotes.

- A gente vem de uma sequência muito difícil fora de casa e hoje conseguimos fechar com uma vitória importante diante do Palmeiras, - comemorou Marquinhos.

- Agora, temos um bom período de treinamento para nos prepararmos melhor e continuar jogando firme na Liga das Américas e na fase final do NBB. - completou o ala.

Depois de duas derrotas seguidas, para Brasília e Basquete Cearense, o Palmeiras bateu o Macaé na última rodada do NBB e voltou a vencer na competição. Mas nesta quinta, mesmo com boas atuações de Fabricio (18 pontos) e Toyloy (17), o time encarou o Flamengo por 95% do jogo, mas não conseguiu segurar o rival nos momentos finais.

- Faltou um pouco de perna no final do jogo. Tentamos parar o Flamengo, que tem um poder ofensivo incrível, mas não deu. Acho que apesar da derrota, fizemos um bom jogo e devemos sair com a cabeça erguida para essa sequência do NBB. - afirmou Neto, que contribuiu com 14 pontos.

UMA VEZ FLAMENGO... DUZENTAS VEZES FLAMENGO!

No clássico das camisas, o jogo teve um início bastante equilibrado. Enquanto o Palmeiras trabalhava coletivamente no ataque, Marquinhos começou o jogo acelerado e com 10 pontos comandou o ataque do Flamengo. Quem também se destacou foi o armador argentino Nico Laprovittola, que anotou mais sete pontos no período e ajudou seu time a liderar o placar na etapa inicial por 21 a 17.

Os palmeirenses voltaram mais fortes no segundo quarto e, aos poucos, foram se recuperando no jogo. A defesa do time paulista cresceu de produção e, no ataque, o pivô Steven Toyloy chamou a responsabilidade no garrafão. O norte-americano foi fundamental para que a equipe da casa assumisse a liderança, logo nos primeiros minutos do período, e abrisse nove pontos de vantagem no marcador (38 a 29).

O Flamengo até conseguiu equilibrar as ações nos momentos finais da segunda etapa, principalmente, graças a entrada do armador Gegê, mas o alviverde levou a vitória parcial para o intervalo, 43 a 37.

A partida continuou bastante acirrada no terceiro quarto, sendo que as duas equipes tiveram um altíssimo aproveitamento ofensivo. Os alas/armadores Neto e Vitor Benite travaram uma bela disputa em quadra nesse período. Neto anotou sete pontos e Benite, 10, e os dois ditaram o ataque de suas respectivas equipes.

Com duas bolas de 3 seguidas do Flamengo, uma de Marquinhos e outra de Benite, o jogo ficou igual, 54 a 54, e, assim permaneceu até o final do período (65 a 65).

O Flamengo cresceu no jogo no último quarto e, após uma sequência de cinco pontos consecutivos de Vitor Benite e depois mais cinco de Herrmann, cravou a liderança no placar (85 a 80).

O Palmeiras conseguiu ainda buscar a diferença, deixando cair para apenas um ponto (85 a 84), mas quando teve a chance de passar, Gianella errou a tentativa para 3 pontos, com 30 segundos no cronômetro.

No ataque seguinte, a equipe carioca sofreu falta e Laprovittola acertou os dois lances livres (87 a 84). Com somente 17 segundos restantes, o Palmeiras também recebeu a falta, mas Gianella acertou apenas um dos dois lances livres (87 a 85), impedindo qualquer reação final do time da casa.