icons.title signature.placeholder Alexandre Araújo
13/11/2013
12:09

O Flamengo não compareceu à reunião com o Procon, na manhã desta quarta-feira, e o presidente Eduardo Bandeira de Mello será denunciado por crime de desobediência na delegacia do consumidor (Decon). Além disso, agentes do Procon foram à Gávea para fazer buscas de documentos, principalmente os que foram sonegados ao órgão. Caso nenhum diretor do clube seja encaminhado à delegacia, Bandeira de Mello receberá uma intimação para prestar esclarecimentos.

Representantes do clube foram convocados ao órgão para dar explicações quanto ao preço dos ingressos para a final da Copa do Brasil, dia 27, contra o Atlético-PR, no Maracanã. Além disso, a ausência no encontro vai gerar uma ação civil pública contra o Flamengo e a Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

E MAIS
- Fla passa o Santos e assume a ponta no eixo Rio-SP de sócios-torcedores
- Flamengo solicitou à CBF os dois últimos mandos no Maracanã
- Fla abre venda de ingressos para todas as categorias de sócios-torcedores

Segundo Cidinha Campos, secretária do Estado de Proteção e Defesa do Consumidor, além da denúncia a Bandeira de Mello, a ausência na reunião pode gerar ainda mais punições.

- Estamos fazendo uma representação contra o Flamengo na delegacia do consumidor por crime de desobediência para que o presidente do Flamengo possa responder criminalmente. Acabamos de entrar em uma ação no Tribunal de Justiça. Ação civil pública. Eles acham que podem atropelar todo mundo, mas não podem. Este tipo de consciência, falta a todos os clubes – disse.

De acordo com a secretária, há ainda pessoas do Procon na Gávea, sede do Flamengo, na Zona Sul do Rio de Janeiro, para a procura de documentos.

- Mandamos toda a fiscalização. Eles vão procurar toda a documentação que sonegaram para a gente. O presidente do Procon (João Oliveira), o diretor jurídico do Procon (Carlos Eduardo Amorim), o diretor de fiscalização (Fábio Domingos) e agentes – afirmou.

Na operação, batizada de "Operação Urubu", estão sendo fiscalizadas também toda a relação de consumo que possa haver dentro do clube. Cidinha citou como exemplo desde lojas do rubro-negro a pessoas que pagam para usar as dependências do clube de maneira independente.

O Procon pediu uma série de documentos ao clube, dentre eles, uma cópia do contrato do Rubro-Negro com o consórcio que administra o Maracanã, e do vínculo padrão com o sócio-torcedor, além do relatório financeiro do clube dos últimos 12 meses.

Os ingressos para a final da Copa do Brasil variam de R$ 250 a R$ 800, ingressos com preço cheio.