icons.title signature.placeholder Felipe Mendes
21/03/2014
23:16

Chamada de Libertadores do basquete, a Liga das Américas viveu na noite desta sexta-feira, no ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, o clima que costuma dar as caras no futebol. Na quadra, em partida de muitas reclamações dos jogadores do Aguada, do Uruguai, com a arbitragem, o Flamengo venceu por 113 a 81 e se classificou para a final contra o Pinheiros, neste sábado. Fora dela, torcedores uruguaios e rubro-negros tiveram diversos momentos de animosidade, com provocações e quase briga. Policiais militares e seguranças evitaram que algo de pior acontecesse.

Para chegar na final e brigar por um título inédito, o Flamengo contou com o cestinha da partida. O ala-armador Marcelinho Machado anotou 26 pontos. Pelo lado do Aguada, o maior pontuador foi Leandro García Morales, com 21 pontos.

O Flamengo começou o jogo arrasador. Primeiro, abriu 5 a 0. Em seguida, no embalo da torcida, fez 14 a 2. A vantagem, no entanto, fez o time relaxar, o Aguada reagiu e virou o placar para 18 a 16. O momento de apagão fez o Rubro-Negro voltar para o jogo. E deixar a parcial na frente: 22 a 20.

No segundo quarto, mesmo com o cestinha do campeonato, Leandro García Morales, longe dos seus melhores dias, o Aguada voltou a comandar o marcador. E foi se mantendo na frente até o Flamengo empatar em 29 a 29 em arremesso de três do ala Marquinhos. O lance fez o Rubro-Negro melhorar um pouco e abrir 36 a 32.

Faltando um pouco mais de quatro minutos para o término do quarto, o Flamengo roubou uma bola e o Aguada matou o contra-ataque. O juiz anotou a falta flagrante e, em seguida, uma falta técnica pela reclamação dos jogadores uruguaios. Com os lances livres, o Rubro-Negro abriu 39 a 32.

Em seguida, o técnico do Aguada, Javier Espíndola, reclamou da arbitragem e acabou expulso. O Flamengo teve mais lances livres e fez 43 a 34. O momento de reclamação somada à exclusão do treinador abalaram o Aguada. E o Rubro-Negro aproveitou para ampliar a vantagem. Marcelinho Machado, com a mão calibrada, comandava os ataques. E a equipe carioca terminou o primeiro tempo vencendo por 56 a 39.

Fora da quadra, os ânimos ficaram acirrados. Os torcedores do Flamengo começaram a provocar a torcida do Aguada, que veio em bom número ao Maracanãzinho. Os uruguaios, que já tinham sindo deslocados em sua maioria do anel superior para o inferior, devolveram as provocações. Com isso, o número de policiais militares e seguranças particulares no entorno da torcida do Aguada aumentou a fim de evitar uma possível briga.

No terceiro quarto, o Flamengo continuou bem, mas o Aguada mostrou que, mesmo sem seu treinador, não daria moleza para o adversário. E Morales começou a mostrar porque é um dos destaques da edição deste ano da Liga das Américas.

Mas o Rubro-Negro manteve a tranquilidade. Com o apoio da torcida, explorava bem os contra-ataques. Com isso, conseguiu ampliar a vantagem. Além disso, os jogadores do Aguada demonstravam muita irritação com a arbitragem. Faltando pouco mais de três minutos para o fim do quarto, após nova marcação de falta flagrante, os uruguaios receberam novas faltas técnicas por reclamação.

Faltando 2m45s para o fim do quarto, Lorio alegou que recebeu uma cotovelada no rosto e o banco pediu falta técnica contra o FLamengo. A arbitragem não assinalou, ele jogou a bola no chão e acabou excluído da partida.

Os ânimos voltaram a ficar acirrados na arquibancada. Um torcedor do Aguada chegou a tentar pular a proteção de vidro para brigar do lado do Flamengo, mas foi contido pelos seguranças. E as provocações prosseguiram. Na quadra, o Rubro-Negro mantinha a dianteira e fechou o terceiro quarto vencendo por 90 a 62.

No último quarto, o Flamengo administrou a ótima vantagem, se deu ao luxo de poupar os jogadores titulares e rumou para a vitória.