icons.title signature.placeholder Guilherme Gomes
16/11/2014
15:31

[[GAL:LANPGL20141116_0004]]

Ainda não foi desta vez que um brasileiro voltou a vencer uma decisão de Finais da ATP. Catorze anos depois de Guga erguer a taça de simples no Masters (como as Finais eram chamadas) de Lisboa, em 2000, Marcelo Melo buscava repetir o feito, agora nas duplas. Mas não deu. Ao lado do croata Ivan Dodig, o mineiro não resistiu à experiência dos irmãos Bryan, que venceram por 2 sets a 1, parciais de 7-6 (7/5), 2-6 e 7-10.

Foi o encontro da dupla número 1 do mundo contra a sétima classficada no ranking. E a diferença de resultados entre elas este ano era clara. Enquanto os Bryan venceram nove torneios, Dodig e Melo formavam a única dupla que tinha chegado a Londres sem um título na temporada. Seus melhores resultadoss foram três vices (agora quatro) em 2014.

Dodig e Melo começaram o jogo melhores. Ganharam o primeiro game de zero, perderam o segundo só no ponto decisivo e venceram o terceiro com facilidade. No 3 a 3, um momento de superação da dupla do brasileiro. Justamente no saque de Melo, os americanos tiveram três break points. Melo e Dodig salvaram os três, gannharam o ponto decisivo e fizeram 4 a 3. O ponto deu moral para a dupla Croácia/Brasil, que fechou o set no tie break em 7-6 (7-5).

O segundo set foi totalmente dominado pelos americanos. Eles quebraram o saque de Melo e abriram 3 a 1 logo de cara. O lance curioso dessa parcial aconteceu quando estava 4 a 2 para os Bryan. Se já é difícil haver um Grand Willy (jogada defensiva em que um tenista rebate a bola por entre as pernas e de costas para a rede), imaginem dois? E seguidos? Foi o que aconteceu quando Bob Bryan salvou bom lob com um Grand Willy que foi defendido por Dodig com outra jogada igual. O público presente à arena O2 foi ao delírio. Os americanos ganharam o ponto e depois fecharam o segundo set em 6-2.

No set desempate (que vai até dez pontos), os americanos abriram 3 a 1, tomaram a virada para 4 a 3, e retomaram a liderança fazendo 7 a 4. Daí para a frente não perderam mais e ficaram com o título.

Apesar de terem três títulos de Finais da ATP, os irmãos Bryan não ganhavam o torneio havia longo tempo. A última vez em que tinham levantado a taça nas Finais havia sido em 2009.

Com o título, eles agora igualam o canadense Daniel Nestor, com quatro triunfos e ficam atrás somente dos americanos John McEnroe e Peter Fleming, famosa dupla que venceu as Finais em sete ocasiões seguidas (de 78 a 84). Além disso, embolsam um prêmio de US$ 150 mil (cerca de R$ 320 mil)