icons.title signature.placeholder Igor Siqueira
13/06/2014
15:08

A Fifa e o Comitê Organizador Local fizeram uma mea culpa e admitiram problemas organizacionais na abertura da Copa do Mundo, na Arena Corinthians. As complicações envolveram o acesso dos torcedores, fornecimento de alimentação e a conexão de internet.

O diretor de marketing da Fifa foi quem "deu a cara da entidade a tapa" nesta sexta-feira, durante encontro com jornalistas no Maracanã. Ele, de certa formal, culpou o atraso na finalização do estádio pelos problemas.

- Foi um jogo de grande magnitude. Foi o primeiro jogo nesse estádio com 100% de capacidade. Ainda que tenhamos testado o estádio semanas atrás, ele não estava completo. Pedimos desculpas aos torcedores. No próximo jogo tenho certeza que a operação estará bem melhor - disse Weil.

Em relação aos problemas de acesso, o COL se comprometeu a verificar formas de melhorar a entrada dos torcedores. Além disso, alguns tiveram problemas porque o local indicado no ingresso não estava disponível, pois a Fifa inutilizou algumas cadeiras, sem avisar aos "donos".

- É verdade que tínhamos 100 pessoas que chegaram ao estádio e deveríamos, na hora que entraram, guiá-los aos assentos. Essas pessoas foram realocadas e ninguém ficou sem assistir ao jogo - explicou Weil.

A falta de alimentos nas lanchonetes também foi abordada.

- Tivemos problemas de eletricidade e não pudemos abrir algumas mercadorias e efetuar algumas transações - disse ele, explicando também o fechamento de lojas.

Por fim, a internet instável virou dor de cabeça para os jornalistas antes de a bola rolar.

- Na tribuna da imprensa sabemos que houve problemas de conectividade até as 15h. É verdade que houve variações, mas isso foi solucionado. Tudo isso é um aprendizado. Certamente haverá esforço para resolver tudo no próximo jogo - completou Weil.

A Fifa está tentando evitar que os mesmos contratempos ocorram nos estádios que não foram usados na Copa das Confederações, como é o caso do estádio de São Paulo. Encaixam-se nessa descrição as cidades de Natal, Cuiabá, Porto Alegre, Curitiba e Manaus.