icons.title signature.placeholder Alexandre Araújo
19/03/2014
07:02

Por pouco, a reunião da Junta Deliberativa, realizada na manhã de segunda-feira, não deixou de acontecer. Reunião esta, por sinal, que Eurico Miranda, presidente do Conselho de Beneméritos, não gostaria que fosse realizada nesta data. Isso porque o encontro quase virou um caso de Justiça. A última cartada foi na noite de domingo, véspera da reunião, quando José Henrique Macedo Serra entrou com um processo, tendo como réus, além do Vasco, Olavo Egydio Monteiro de Carvalho, presidente da Assembleia Geral e responsável pela convocação e organização do compromisso.  

A ação correu na 1ª Vara Cível do Rio e a juíza Adriana Ramos de Mello indeferiu o pedido de antecipação de tutela, pleiteado ainda durante o plantão noturno.

E MAIS
- Após 'rodízio', Everton Costa se firma como parceiro de Edmilson no Vasco
- Para Guiñazú, boa defesa do Vasco dá tranquilidade aos atacantes

Em nota oficial divulgada no site "Casaca" (portal e grupo político que apoia o ex-mandatário), Eurico Miranda garantiu que durante a reunião da Junta não houve entrega de lista de sócios elegíveis ou votantes, e ainda criticou o dia em que o encontro dos cinco poderes cruz-maltinos foi realizado.

"Apresentei uma carta falando sobre a irregularidade da marcação da Junta Deliberativa para antes do mês de maio, recebida por todos os demais membros da Junta Deliberativa", afirmou, em um trecho da nota, assinada pelo próprio presidente do Conselho de Beneméritos.

Recentemente, o grupo político que apoia Eurico Miranda chegou a afirmar que a reunião da Junta seria um golpe. Uma das preocupações do ex-mandatário era que, no encontro, fossem discutidas as datas e prazos do processo eleitoral deste ano, o que poderia impedir que os sócios que entraram em massa em abril do ano passado não pudessem participar do pleito.

Estes sócios vêm sendo chamados de "mensaleiros" por, supostamente, estarem sendo financiados para se vincularem ao Vasco.