icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
02/07/2013
16:51

A passagem da Espanha pelo Brasil foi marcada por polêmicas e críticas à organização da Copa das Confederações. Dois dias depois da goleada sofrida para a Seleção, na final, disputada no Maracanã, o atacante Fernando Torres veio a público externar a insatisfação com a infraestrutura do torneio e com o calor, sobretudo no Nordeste, onde a Fúria enfrentou Uruguai, Nigéria e Itália.

- Foi complicado para todos, pelo clima e pelas instalações. Para a Copa do Mundo, dependeremos da sorte para saber a cidade para onde iremos. É preciso pensar no sorteio da Copa, já que ele pode fazer a diferença. Já sabemos o que vamos encontrar: deslocamentos gigantescos para treinar e condições abaixo do esperado - disse o jogador do Chelsea à agência Efe.

E MAIS

Felipão consegue formar base para Mundial, mas cogita novos testes
Governo gastou R$ 8 milhões a mais com segurança na Copa das Confederações

Não foi apenas El Niño que reclamou. A Federação Espanhola de Futebol também se irritou com o fato de não poder viajar nos dias de jogos e por ser impedida de manter uma base no país, sendo obrigada a se deslocar o tempo todo.

Fora de campo, a delegação também se envolveu em polêmicas. Primeiro, foi relatado um roubo durante uma festa com a presença de garotas de programas. Os jogadores tiveram alguns pertences subtraídos. Depois, foi publicada a notícia de que atletas, impedidos de entrarem no hotel com prostitutas, arremessaram objetos pela janela dos quartos.

A passagem da Espanha pelo Brasil foi marcada por polêmicas e críticas à organização da Copa das Confederações. Dois dias depois da goleada sofrida para a Seleção, na final, disputada no Maracanã, o atacante Fernando Torres veio a público externar a insatisfação com a infraestrutura do torneio e com o calor, sobretudo no Nordeste, onde a Fúria enfrentou Uruguai, Nigéria e Itália.

- Foi complicado para todos, pelo clima e pelas instalações. Para a Copa do Mundo, dependeremos da sorte para saber a cidade para onde iremos. É preciso pensar no sorteio da Copa, já que ele pode fazer a diferença. Já sabemos o que vamos encontrar: deslocamentos gigantescos para treinar e condições abaixo do esperado - disse o jogador do Chelsea à agência Efe.

E MAIS

Felipão consegue formar base para Mundial, mas cogita novos testes
Governo gastou R$ 8 milhões a mais com segurança na Copa das Confederações

Não foi apenas El Niño que reclamou. A Federação Espanhola de Futebol também se irritou com o fato de não poder viajar nos dias de jogos e por ser impedida de manter uma base no país, sendo obrigada a se deslocar o tempo todo.

Fora de campo, a delegação também se envolveu em polêmicas. Primeiro, foi relatado um roubo durante uma festa com a presença de garotas de programas. Os jogadores tiveram alguns pertences subtraídos. Depois, foi publicada a notícia de que atletas, impedidos de entrarem no hotel com prostitutas, arremessaram objetos pela janela dos quartos.