icons.title signature.placeholder Igor Siqueira
24/02/2015
07:15

Diante de um Estadual problemático, cujas confusões são motivadas por descompasso dos dirigentes, a Ferj, segundo o LANCE!Net apurou, já tem uma ideia para tentar resolver uma das quedas de braço criadas entre rivais do futebol do Rio: o posicionamento das torcidas de Fluminense e Vasco nas partidas no Maracanã.

A disputa – motivo para a transferência do clássico de domingo passado para o Nilton Santos, o que, por sua vez, ocasionou outros problemas, como briga entre organizadas – poderia acabar se os lados toparem uma interferência da entidade, prevista no regulamento geral de competições. A ideia da Ferj é: vai ter o poder de escolha do lado da respectiva torcida o clube que tiver o mando do jogo em questão.

O planejamento é colocar a medida em prática em um possível duelo pelas semifinais do Carioca (e mantê-la no Brasileirão). Isso seria possível porque a fase prevê jogos de ida e volta. Quando o Vasco for mandante, a torcida cruz-maltina fica com as arquibancadas à direita das cabines de TV. O mesmo aconteceria com o Fluminense.

A solução não deve agradar a nenhum dos lados, mas é o que a Ferj entende ser o necessário para acabar com o impasse. O Vasco alega poder posicionar sua torcida do lado direito graças a um direito conquistado pelo fato de ter sido o primeiro campeão estadual após a construção do Maracanã, em 1950. Já o Fluminense usa o contrato firmado com a concessionária Maracanã S/A.

O Flu conta com o apoio da administração do estádio para ocupar o setor à direita das cabines de TV sempre que jogar no estádio. E isso faz com que a ideia da Ferj fique distante da realidade, já que um contrato privado precisaria ser ignorado. Se o atual cenário se mantiver, a tendência é que mais clássicos entre Flu e Vasco aconteçam no Nilton Santos.

TENTATIVA FRUSTRADA

Antes de confirmar o clássico de domingo no Nilton Santos, a Ferj chamou os presidentes dos dois clubes para uma reunião. Nela, a entidade tinha a intenção de sortear quem ficaria com o lado direito do Maracanã, mas Eurico Miranda e Peter Siemsen não apareceram.