icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
26/07/2014
23:56

Ninguém nega, nem mesmo Abel Braga, que o Internacional não jogou bem na noite deste sábado, na Fonte Nova. Mas acabou vencendo por 1 a 0, com gol do lateral-direito Wellington Silva, com falha do goleiro Marcelo Lomba. O técnico colorado exaltou o resultado e disse que o atacante Rhayner foi quem quebrou o esquema do Colorado, além de explicar que tirou o meia D'Alessandro porque achou que o argentino não estava rendendo todo o possível por conta de um incômodo muscular.

O treinador afirmou que ficou "feliz da vida" com o resultado e lembrou situações anteriores quando o Inter até teve boas atuações, mas não conseguiu vencer fora de casa. Citou os duelos com Botafogo, Criciúma e até mesmo o Corinthians. Também relatou que os jogadores reclamaram de cansaço, até mesmo aqueles que sempre apresentam condicionamento físico impecável, como os volantes Willians e Wellington. Todos os jogadores valorizaram a vitória com o rendimento ruim.

- Não jogamos bem, mas vencemos. Tem que acontecer algum dia. Jogamos mal hoje, com mais acerto no segundo tempo, e vencemos. O Dida não fez nenhuma defesa. Temos que ficar contentes. Nós no aspecto tático usamos um posicionamento que confunde o adversário quando temos a bola. E hoje ocorreu isso, contra o meu time. Temos o veneno e não tivemos o contra-veneno. Mas tecnicamente a partida não foi boa. Estou feliz da vida - disse Abelão.

No intervalo, Abelão substituiu o meia D'Alessandro algo muito incomum. O gringo não estava rendendo o esperado por conta de um desconforto muscular. O que ele já havia acusado no treinamento desta sexta, antes da viagem para Salvador. Abel também falou sobre a bronca que deu no elenco no vestiário e que queria ter feito as três trocas no intervalo.

- A bronca ficou lá e já morreu. Agora, repetimos na segunda, com calma. O cara (D'Ale) é guerreiro. Com certeza não estava 100%. Mas foi para o campo. Achei que na situação que estava, não estava ajudando como ele gosta de ajudar. Troquei. Tem hora que não dá para esperar. Se pudesse fazer 5 substituições, teria mudado três no intervalo. Ninguém pode negar que a campanha é muito boa - completou o treinador.