icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
08/07/2014
19:57

Luiz Felipe Scolari se colocou como responsável da maior derrota da história da Seleção Brasileira, os 7 a 1 sofridos para a Alemanha, nesta terca, pela semifinal da Copa do Mundo. Apesar do enorme vexame em casa, o treinador evitou fazer uma "caça às bruxas", ou considerar que o jogo deveria resultar em uma série de mudanças no futebol nacional.

- Provalmente tenha sido a pior (derrota da carreira), mesmo com derrotas passadas. Quando se perde de 5, 6 fica a revolta por dentro. Se pensar na minha vida como técnico, jogador, entendo que foi o pior dia da minha vida. Vou ser lembrado de ter sido o treinador dos 7 a 1 a pior de todas. Tem de assimilar e seguir em frente, é o que eu vou fazer - afirmou.

Para defender o fato de não ser necessárias grandes mudanças na Seleção, o treinador citou o próximo Mundial, de 2018. Segundo o gaúcho, boa parte do grupo que jogou esta Copa estará na Rússia, daqui a quatro anos.

- Desta equipe, provavelmente 12, 13 ou 14 jogadores estarão no Mundial de 2018. Esta equipe da Alemanha vem sendo trabalhada faz tempo. Dos 23, no mínimo uns 13 vão estar em 2018. A derrota é feia, catastrófica, a pior derrota do mundo, mas temos de aprender com isto também - afirmou o treinador.