icons.title signature.placeholder Maurício Oliveira e Thiago Salata
12/07/2014
21:19

O técnico Luiz Felipe Scolari admite que a imagem dos jogadores ficou arranhada por causa dos vexames contra a Alemanha e a Holanda, mas em defesa do grupo lembra que a maioria dos atletas foi campeã da Copa das Confederações. E que, com mais experiência, pode se fortalecer e dar frutos daqui a quatro anos, na Copa da Rússia.

Felipão também justificou o discurso otimista no início da preparação da Seleção, em maio, na Granja Comary. Disse que, como líder, não poderia pregar cautela para a torcida.

Veja trechos da entrevista coletiva que ele concedeu no Mané Garrincha, aquela que pode ter sido a última como técnico da Seleção.

Acha que esta Seleção ficará marcada pelas duas goleadas sofridas na despedida da Copa?
Não vai ficar marcada, não. Esta Seleção ganhou a Copa das Confederações e perdeu o Mundial. Perdeu de 7 a 1, sim, mas também começou com um título no ano passado e com uma classificação entre os quatro de uma Copa. Espero que os jogadores continuem. São muito jovens ainda, mas terão essa experiência importante.

Qual é o seu sentimento hoje, depois do fracasso? Se arrepende por ter passado tanta confiança de que conquistaria o hexa?
Eu sinto tristeza. Mas diria ao torcedor que, qualquer líder que seja, se não passa otimismo à Nação, não tem o que fazer. Se começássemos a Copa dizendo que passar entre os oito já estava bom para a Seleção, seria horrível. Tínhamos de começar passando otimismo. Então, não me arrependo de nada do que fizemos ou falamos. Era para ser assim.

Depois dos 3 a 0 da Holanda, mudou de ideia com relação aos 7 a 1 da Alemanha ou continua achando que se deveu a uma pane?
Não mudei nada. Penso o seguinte: os objetivos foram atingidos à medida em que fomos passando de fase. Tivemos momentos muito bons em algumas partidas. Os seis minutos contra a Alemanha aconteceram e a gente lamenta. No jogo de hoje, não vejo como criticar o time. Tomou um gol no começo, mas teve desenvoltura, mas foi atrás... Não fizeram jogo ruim para perder por 3 a 0. Esse grupo, que foi muito bem nas Confederações, não foi bem depois de chegar à semifinal. Mas ele sai com a minha confiança, com minha opinião de que tem qualidades. E o caminho está aberto para estarmos bem melhor em 2018.