icons.title signature.placeholder VINÍCIUS PERAZZINI
25/06/2014
09:21

Dentro do pátio da Arena Pernambuco, bem ao lado das 'lojinhas' das empresas patrocinadoras da Copa, uma barraca verde com um letreiro escrito tapioca tem chamado a atenção pela movimentação intensa de consumidores antes e depois das partidas. Ali, entre as grandes marcas, é vendida iguaria mais típica da gastronomia pernambucana. O LANCE!Net se aprofundou nesta situação curiosa e descobriu como a tapioca virou 'padrão Fifa'.

A história se iniciou após a Copa das Confederações, no ano passado. O Governo de Pernambuco pediu à Fifa que o estádio tivesse uma lojinha de tapioca, para que a iguaria fosse mostrada aos turistas do mundo inteiro. A solicitação foi prontamente atendida e oito tapioqueiras pernambucanas, que integram a Associação das Tapioqueiras do Recife Maria de Oliveira, foram selecionadas pelo governo para comercializarem seus produtos na Arena.

A oportunidade mudou a vida das oito tapioqueiras. Todo o dinheiro conseguido com as vendas, em local mais do que privilegiado, fica para elas. A conta do faturamento é fácil de se fazer: 2 mil tapiocas são vendidas por dia, ao valor de R$ 8. O total dá R$ 16 mil e, após a divisão, cada uma das profissionais fica com R$ 2 mil por jogo.

Recife é palco de cinco partidas do Mundial. Ao término de tudo, cada uma terá conseguido R$ 10 mil. O governo providenciou a estutura e o espaço, mas não fica com participação nos lucros.

Ao todo, seis sabores estão disponíveis ao público: queijo, coco, queijo e coco, frango e queijo, carne de sol e queijo e leite condensado e coco, cada uma no valor já citado de R$ 8.

E MAIS
> Inspirada nos seus clubes, torcida brasileira cria músicas para Seleção
> Fifa abre processo contra Suárez após mordida em zagueiro italiano

No espaço, além das tapioqueiras, há quatro anfitriões para receberem os torcedores. Esses anfitriões são estudantes da rede pública estadual, já participaram de intercâmbio no exterior e falam inglês e espanhol. O quarteto facilita a comunicação entre os estrangeiros e as profissionais.

Outro ponto interessante é que o cardápio está disponível em inglês e português, além dos idiomas dos países cujas seleções estão em campo naquele dia específico.

O secretário executivo de relações institucionais da Secretaria da Copa em Pernambuco, Gilberto Pimentel, destacou o êxito da iniciativa para todas as partes.

- A tapioca é um patrimônio de Pernambuco e aproveitamos a vitrine da Copa para expor. O sucesso tem sido tão grande, que a previsão da barraca era fechar no intervalo, mas agora ela fica aberta até depois do jogo - disse Gilberto Pimentel.