icons.title signature.placeholder João Matheus Ferreira
26/04/2014
07:05

“A meta é estar até 2020 na Série A”. Quando o presidente e fundador do Luverdense, Helmute Lawisch, fala isso, muitos podem duvidar. Afinal, com apenas dez anos de fundação, a jovem equipe mato-grossense – caçula e estreante na Série B – ainda tem pouco reconhecimento nacional. Mas, aos que não acreditam, a façanha de chegar na Segundona em apenas uma década é usada como exemplo:

- Olha, para mim, não é surpresa alguma termos chegado tão rápido na Série B. Era para ter sido um ano antes, diga-se de passagem. Acabou atrasando. Isso é resultado de um trabalho sério de equipe - conta ao LANCE!NET o mandatário.

E quando ele fala em trabalho de equipe, não é por humildade ou modéstia. O Luverdense foi criado após um pedido do governo do Mato Grosso à Prefeitura de Lucas do Rio Verde para ter um clube no local, famoso pelo agronegócio de soja e milho. Desde então, toda a cidade se mobiliza para manter o time. Cerca de 20 fazendeiros e dez empresários locais injetam dinheiro sem esperar retorno.

Até agora, o trabalho vem dando certo e o Luverdense vai, aos poucos, se transformando não apenas no orgulho da cidade, como também de todo o estado. Um bom exemplo é que a última participação de um clube mato-grossense na Série B foi em 1994, com o Barra dos Garças, que hoje joga a Segundona estadual. O reconhecimento é motivo de orgulho para o presidente:

- Já fiz muitas coisas nessa vida, mas nada se compara ao reconhecimento dos mato-grossenses conosco. Fui ao banco e o cara do caixa me reconheceu e deu parabéns pelo Luverdense. Isso não tem preço.

Ao Vasco, resta ter cuidado. Afinal, em 2013, o Corinthians enfrentou o até então desconhecido clube e perdeu o jogo de ida na Copa do Brasil. É bom não duvidar deles...

BATE-BOLA
Helmute Lawisch, presidente e fundador do Luverdense, ao L!NET

Qual o segredo para o sucesso tão rápido do Luverdense?
É uma dedicação muito forte minha e dos meus diretores. Estamos provando para muitos que não precisa de dinheiro para ter sucesso. Até chegar à Série B, nunca tivemos cota ou dinheiro da CBF. Não precisamos de ninguém e conquistamos tudo de forma lícita.

Como é dividido o dinheiro que vem dos investidores?
Além dos fazendeiros locais, contamos com a ajuda de empresas “genuinamente luverdenses” (de Lucas do Rio Verde). Se sobrar algum dinheiro, investimos em estrutura e na categoria de base. Temos uma assembleia geral que faz balanços financeiros, de forma anual, e nenhum dos nossos diretores é remunerado.

A diretoria do Luverdense faz algum tipo de investimento nas categorias de base?
Temos um trabalho social em parceria com a Prefeitura com cerca de 600 crianças e aproveitamos aqueles que se destacam. Temos categorias sub-15, sub-17 e sub-20. Disputamos as três últimas Copas São Paulo de Futebol Júnior, mas ainda temos que melhorar e profissionalizar mais atletas. 

DADOS LUVERDENSE
- Nome: Luverdense Esporte Clube
- Fundação: 24/1/2004
- Estádio: Passo das Emas (capacidade para 10 mil pessoas)
- Títulos: Estadual (2009 e 2012), Copa Mato Grosso (2004, 2007 e 2011) e Copa Pantanal (2011)
- Folha Salarial: cerca de R$ 400 mil
- Destaques: Misael (meia) e Reinaldo (atacante)

DADOS LUCAS DO RIO VERDE
- Fundação: 5/8/1982
- População: 52.843 (IBGE/2013)
- Dimensão: 3.645 km²
- PIB: R$ 1 669 888,179 (IBGE/2010)
- IDH: 0,768 (alto)
- Economia: forte em agronegócio