icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
06/11/2013
14:42

O São Paulo não sofreu gols em sete dos 16 jogos que fez com Muricy Ramalho no comando. Se o fato se repetir na noite desta quarta-feira, contra o Atlético Nacional, em Medellín, a equipe estará classificada para a semifinal da Copa Sul-Americana (venceu o primeiro jogo por 3 a 2).

Mas a defesa tricolor está em alerta. No último jogo, contra a Portuguesa, o time mostrou dificuldades para sair com a bola dominada e passou sufoco. Antes, diante do mesmo Atlético Nacional, os dois gols sofridos aconteceram em erros da zaga. O discurso na saída do gramado foi de que erros como aqueles não podem se repetir.

E MAIS:
> Torcida mirim de 'filial' da Colômbia reforça o São Paulo 
> Opinião de Torcedor: O que será do elenco do São Paulo em 2014?
> Casa do futebol de Medellín pronta para sediar o Tricolor
> Confira uma galeria de fotos com as imagens do estádio

O Tricolor sofreu oito gols nos últimos quatro jogos, mas venceu todas as partidas. Os bons resultados fazem com que Muricy Ramalho minimize os vacilos defensivos. Mas internamente o técnico cobra seus atletas. No intervalo da partida contra a Lusa, o treinador deu uma dura na equipe para evitar que as falhas na saída de bola durante o primeiro tempo não acontecessem novamente na etapa final.

– O que a gente conversou no intervalo é que a saída de bola não estava boa. Estávamos saindo pelo meio com um homem de costas para o nosso. A gente não pode ficar lá dentro em cima do Rogério – declarou.

Muricy vai colocar em campo a dupla de zaga que considera ideal neste momento para o time: Rodrigo Caio e Antônio Carlos. Rafael Toloi, que perdeu espaço, segue no Reffis com dores no tornozelo direito.

- Nosso time tem Maicon, Denilson, Rodrigo, que sabem trocar passe. Ganso normalmente, agora Jadson (Ganso está suspenso), em um campo como esse, de qualidade, quando você começa dar chutão o rival pega a bola. Claro que quando aperta e não tem outra opção, você chuta pra frente. Agora temos o Luis como referência, jogador mais forte, alto, para disputar essa bola. Mas futebol foi feito na grama para se jogar com a bola no chão, campo liso, gramado rápido como esse, a bola tem que ficar no chão - analisou Rogério Ceni, já na Colômbia.

Antônio Carlos, recém-chegado, está em alta. Além dos dois gols no jogo de ida, as atuações do camisa 4 têm sido elogiadas pelo treinador. Muricy o compara com jogadores como Miranda, Breno, Alex Silva e André Dias, que tiveram destaque na outra passagem do técnico.