icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
05/11/2013
08:19

Onze partidas e nenhuma vitória. É com esse retrospecto que o Fluminense encerrará em 2013 frente aos principais adversários do Rio de Janeiro. Ao todo, foram três empates e oito derrotas contra Botafogo, Flamengo e Vasco no ano, dando ao Tricolor um aproveitamento de apenas 9,09% contra os rivais regionais. O pior de toda a sua história.

A última vez em que o Tricolor tinha encarado um jejum em clássicos tão grande havia sido em 2011, quando conquistou cinco empates e cinco derrotas nos dez clássicos disputados naquele ano. No entanto, em aproveitamento, 2011 foi superior em relação ao atual.

E MAIS
- Deley consegue assinaturas e oficializa candidatura à presidência do Flu
- Retorno de Fred em 2014 não seria surpresa no Fluminense
- Sob pressão, Fluminense vê zona de rebaixamento cada vez mais perto

Anteriomente, o pior retrospecto na era profissional em se tratando de aproveitamento havia sido em 1962, quando realizou dez jogos e perdeu nove e venceu somente um, o que lhe rendeu 10% de aproveitamento.

Uma curiosidade que marca o jejum tricolor em 2013 é o fato dos confrontos terem sido disputados em cinco palcos diferentes. Além do tradicional Maracanã, também houve partidas no Engenhão, no Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, na Arena Pernambuco e no Estádio da Ressacada, em Florianópolis.

O maior carrasco do ano foi o Flamengo. Em três jogos disputados contra o Rubru-Negro, foram três derrotas. Em seguida, vem o Vasco, que bateu o Tricolor em três dos quatro jogos disputados entre eles. O 'melhor' retrospecto foi contra o Botafogo, contra quem o Fluminense conquistou dois dos seus três pontos em clássicos no ano. Em quatro partidas, perdeu duas e empatou outras duas.

Sem mais jogos contra os rivais a disputar, o Fluminense de 2013 fez história, porém de forma negativa. Desde 1923, quando passou a enfrentar seus três maiores adversários, o clube nunca tinha obtido um aproveitamento inferior a 10%, até agora.

Oito jogos sem vencer: Onde está a salvação do Fluminense?