icons.title signature.placeholder Guilherme Cardoso
icons.title signature.placeholder Guilherme Cardoso
28/07/2013
06:00

O Brasil terminou sua participação no Mundial de Atletismo Paralímpico, neste domingo, em Lyon (FRA), com mais uma medalha. Ezequiel Costa conquistou o bronze na maratona, na categoria T46 (para amputados e outros). Ele terminou a disputa em 3h00m45.

O ouro na prova ficou com o italiano Alessandro di Lello. Ele completou o circuito em 2h33m42. O mexicano Pedro Meza veio em seguida, com 2h48s20.

Inicialmente, o brasileiro tinha terminado a prova na quarta colocação, atrás do espanhol Abderrahman Ait Khamouch. No entanto, o adversário foi desclassificado por se hidratar em um ponto não oficial da prova.

- Fiz um treinamento específico para essa prova, mas não saiu do jeito que eu queria. Teve uma hora que atacou uma câimbra. Cheguei a cair, mas, como sou brasileiro, não desisto nunca. Levantei e continuei. Esta é a primeira vez que participo de uma competição pela delegação. Tambem fui convocado para a Copa do Mundo de maratona, em Londres - afirmou Costa.

Após nove dias de competição, o Brasil terminou o Mundial com uma campanha inédita. Foram 16 medalhas de ouro, dez de prata e 14 de bronze. A delegação ficou na terceira colocação, atrás apenas de Rússia e Estados Unidos.

- Foi uma participação acima do esperado A meta era o quinto lugar e conseguimos repetir o terceiro do último mundial (em 2011). Tem sido interessante isso, porque temos feito uma meta de progressão para consolidar pelo menos o quinto lugar da modalidade na Paralimpíada de 2016. O Mundial é importante, mas o que vão ficar nos cobrando são os Jogos do Rio de Janeiro - afirmou o coordenador técnico da delegação brasileira, Ciro Wincler.

*O repórter viaja a convite do Comitê Paralímpico Brasileiro

*Atualizada às 06h43

O Brasil terminou sua participação no Mundial de Atletismo Paralímpico, neste domingo, em Lyon (FRA), com mais uma medalha. Ezequiel Costa conquistou o bronze na maratona, na categoria T46 (para amputados e outros). Ele terminou a disputa em 3h00m45.

O ouro na prova ficou com o italiano Alessandro di Lello. Ele completou o circuito em 2h33m42. O mexicano Pedro Meza veio em seguida, com 2h48s20.

Inicialmente, o brasileiro tinha terminado a prova na quarta colocação, atrás do espanhol Abderrahman Ait Khamouch. No entanto, o adversário foi desclassificado por se hidratar em um ponto não oficial da prova.

- Fiz um treinamento específico para essa prova, mas não saiu do jeito que eu queria. Teve uma hora que atacou uma câimbra. Cheguei a cair, mas, como sou brasileiro, não desisto nunca. Levantei e continuei. Esta é a primeira vez que participo de uma competição pela delegação. Tambem fui convocado para a Copa do Mundo de maratona, em Londres - afirmou Costa.

Após nove dias de competição, o Brasil terminou o Mundial com uma campanha inédita. Foram 16 medalhas de ouro, dez de prata e 14 de bronze. A delegação ficou na terceira colocação, atrás apenas de Rússia e Estados Unidos.

- Foi uma participação acima do esperado A meta era o quinto lugar e conseguimos repetir o terceiro do último mundial (em 2011). Tem sido interessante isso, porque temos feito uma meta de progressão para consolidar pelo menos o quinto lugar da modalidade na Paralimpíada de 2016. O Mundial é importante, mas o que vão ficar nos cobrando são os Jogos do Rio de Janeiro - afirmou o coordenador técnico da delegação brasileira, Ciro Wincler.

*O repórter viaja a convite do Comitê Paralímpico Brasileiro

*Atualizada às 06h43