icons.title signature.placeholder Lucas Faraldo Knopf
04/07/2014
08:01

A diferença entre o Corinthians que foi eliminado ainda na primeira fase do Campeonato Paulista e o que encerrou as nove primeiras rodadas do Brasileiro na terceira colocação vai um pouco além dos resultados – antes negativos, agora positivos. Um baiano de 25 anos de idade nascido em Juazeiro, após se destacar com a camisa do Penapolense no Estadual e ser contratado pelo Timão logo em seguida, simplesmente "dominou" o meio de campo alvinegro em dois meses de muito trabalho: Petros, o camisa 40 do clube do Parque São Jorge.

Líder de desarmes do Brasileirão, com 43 roubadas de bola em oito partidas disputadas (uma a mais do que os demais "concorrentes" pelo posto), Petros rapidamente conquistou a confiança do técnico Mano Menezes. Atualmente, nem mesmo a chegada de um pacote de reforços no Corinthians ameaça a titularidade do jogador. Ele, inclusive, confessou estar ajudando Ángel Romero, atacante paraguaio recém-contratado pelo Timão, a se adaptar ao novo clube.

– Fico muito feliz (pela confiança do Mano), isso é fruto do meu trabalho. Eu vinha jogando muito bem e ele é um cara muito honesto e justo. Ele é um cara espetacular nesse fator porque ele não tem preferência. Quem tiver melhor vai jogar. Mas a titularidade aqui é o menos importante.  Titularidade, de coração, é o que menos importa – enfatizou o meia do Timão.

Sem jogar uma partida oficial desde o dia 1º de junho, Petros desconta a "fome de bola" em seus companheiros de equipe. Nos treinamentos, o jogador é, de longe, um dos mais empenhados. Na atividade comandada por Mano Menezes na manhã dessa quinta-feira, sob forte sol, no CT Joaquim Grava, o camisa 40 desarmou praticamente todos os corintianos do "time rival" no coletivo ao menos uma vez. Romarinho e Renato Augusto foram os que mais sofreram com o ladrão de bolas.

– Costumo falar que quem treina forte joga muito forte. Então, sou um cara que dependo muito da minha condição física. Essa é minha principal característica. Consigo roubar várias bolas assim. Eu costumo brincar com o pessoal falando que aqui é meu ganha pão, aqui é de onde minha família tem o sustento. Então, de maneira alguma posso treinar diferente do que vou jogar. Procuro sempre fazer o meu melhor no dia-a-dia – afirmou o atleta do Timão.

Entre broncas e aplausos, Petros parece ter caído de vez nas graças do treinador corintiano. O próprio Mano Menezes, semanas atrás, havia comparado o camisa 40 ao atacante Jorge Henrique, seu "xodó" no Corinthians durante os anos de 2009 e 2010. O rápido entrosamento e ascensão do meia com a camisa do Timão também chamaram atenção do comandante alvinegro.

– Muito comum no futebol encontrar jogador que não tem tanta valorização, que chega, se afirma, entre mais jogadores renomados. Sempre importante entender aquilo que pode dar. Na primeira entrevista do Petros aqui, ele foi muito claro ao dizer o que tinha vindo fazer, que jogador era, e isso que ele está sendo em sua plenitude – analisou Mano Menezes, após a vitória do Timão sobre o Cruzeiro no último mês de maio.