icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
04/02/2015
13:24

A saída de Éverton Ribeiro do Cruzeiro para o Al-Ahli (EAU), por 17 milhões de euros (R$ 52,9 milhões), tomou os noticiários esportivos nas duas últimas semanas. Muita coisa foi dita, mas o atleta nega boa parte delas. O craque explica que não abriu mão de uma grana para deixar a Toca da Raposa II e tampouco fez pressão para que o presidente Gilvan de Pinho Tavares aceitasse a sua transferência.

– Não teve nada disso (de abrir mão de uma parte financeira para deixar o clube). Nem sei de onde surgiu isso. Não tive que abrir mão de nada, até porque o Al-Ahli conseguiu chegar aos números que o Cruzeiro queria sem ter que mexer em nada que tinha me prometido. Isso me deixa tranquilo e posso dizer que foi uma negociação bem tranquila, sem nada de mais – afirmou, em entrevista ao site Uol.

Na conversa com a imprensa paulista, ele ainda rechaçou qualquer rusga com a diretoria de seu antigo clube. O atleta explica que as tratativas foram bastante amigáveis e que não houve divergências entre as partes.

– Foi tudo muito tranquilo, bem amigável a negociação. Demorou um pouco para que atendessem ao que o Cruzeiro queria, mas a proposta foi boa, deu para perceber que era o melhor para todo mundo. Estamos agora em um time forte de Dubai, com uma estrutura que me agradou muito. Então, estou muito contente por estar jogando em uma equipe estrangeira e por realizar a minha vontade de jogar fora do Brasil. Espero ser feliz e conquistar títulos por aqui, como foi no Cruzeiro – concluiu.

Confira, abaixo, os temas mais importantes abordados na entrevista do atleta ao site de São Paulo:

Opção pelo Al-Ahli
Sempre pensei que, se saísse do Cruzeiro um dia, teria que ser uma coisa boa tanto para mim quanto para o Cruzeiro. O time que mais atendeu a todas as partes foi o Al-Ahli. Todas essas equipes seriam boas para mim, mas as propostas não foram interessantes para o Cruzeiro. Priorizei o que o Cruzeiro fez por mim. Então, queria dar o retorno ao clube por tudo o que eles tinham feito.

Seleção Brasileira
Creio que fica um pouco mais difícil. O Dunga já me conhece, não cheguei a conversar com ele sobre a transferência, mas tenho certeza que ele está de olho em todos os lugares. Se eu mantiver um bom nível, eu tenho certeza que posso ter uma chance. E se ela vier, eu tenho apenas que mostrar o meu futebol de sempre.

Situação do Cruzeiro
É um processo natural das equipes, com o passar do tempo, tem que trocar de jogador. Com a comissão e a diretoria que o Cruzeiro tem, eles vão saber montar um grande time. O grupo atual é muito forte. Mesmo perdendo algumas peças, chegaram jogadores de muita qualidade. Tenho certeza que, em poucos jogos, o Marcelo vai entrosar o time da melhor maneira para que o Cruzeiro volte a conquistar vitórias como fez nos últimos dois anos.

Não tenho dúvidas que o time seguirá forte. Unindo os atletas que já tinham e os que chegaram, mais o trabalho que o Marcelo Oliveira tem feito por aí, o Cruzeiro vai brigar por títulos.

Marcelo Oliveira
Foi muito fundamental. Quando ele me levou ao Coritiba, a gente teve uma amizade muito forte e ele sempre me deu dicas e cobrou bastante. Trabalhei forte para aprender e, graças a Deus, deu tudo certo. Foram quatro anos de aprendizagem. Tenho que agradecer muito ao Marcelo (Oliveira) por tudo o que estou vivendo.