icons.title signature.placeholder João Pires
04/11/2013
13:26

A manhã desta segunda-feira no entorno do Maracanã não foi marcada apenas pela grande movimentação de torcedores do Flamengo para comprarem ingressos para o jogo de quarta-feira, contra o Goiás. Próximo às filas na bilheteria, no interior do Parque Aquático Júlio de Lamare, foi comemorada a reabertura do local, que inicialmente seria derrubado para as obras da Copa do Mundo, ideia rechaçada depois pelo governador do estado Sérgio Cabral.

Na cerimônia de reabertura do parque, o presidente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos, Coaracy Nunes, comemorou muito a permanência do local e desfilou com um documento do Iphan, datado de agosto, que afirma a proibição da demolição do parque.

- É um momento de grande alegria, muita emoção. O governo do estado reconheceu o erro. O governador (Sérgio cabral) me ligou quando eu estava em Barcelona e disse que realmente errou e que não podia derrubar o de Lamare - disse Coaracy.

E MAIS:
> Campeão Olímpico, nadador Sun Yang é detido após batida

O evento na manhã desta segunda contou com apresentações de atletas de saltos ornamentais, como César Castro, que foi finalista no Campeonato Mundial de Barcelona, e Juliana Veloso, atleta que já disputou quatro Olimpíadas. Além disso, houve apresentações de natação e nado sincronizado.

O local ainda passará por mudanças, como as obras do novo tanque seco para os saltos ornamentais, já que o antigo foi demolido durante as obras do Maracanã. Um placar eletrônico e blocos de partida também serão instalados.

- O Julio de Lamare em nenhum momento sofreu algum tipo de alteração. Ele continua da mesma forma, mexeram apenas no tanque seco, mas ele será recomposto. Ainda teremos algumas melhorias para os atletas de alto rendimento, que o Coaracy solicitou ao governador. Nós estamos avaliando para poder licitar. Essas melhorias, que são os blocos e o crônometro, não impedem o projeto e o trabalho dos atletas - disse o secretário de esporte e lazer do Rio de Janeiro, André Lazaroni.

O secretário ainda lembrou que o de Lamare pertence à Suderj e que já foi comunicado a retirada do parque aquático e do Célio de Barros do consórcio que administra o Maracanã.

As reinscrições para os projetos sociais do local foram reabertas nesta segunda-feira e já foram registradas filas para participar.