icons.title signature.placeholder Walace Borges
19/03/2014
07:00

Não existia situação melhor para o Flamengo da que foi encontrada em Santa Cruz de la Sierra (BOL). Nos dois dias de preparação, o time foi abraçado pela torcida local, que era formada, em maioria, por brasileiros. Estudantes de medicina que tentam a vida fora do país. Além de realizarem um sonho, fizeram com que o grupo recuperasse o ânimo para o jogo desta quarta-feira, às 22h, contra o Bolívar, em La Paz. Se no curso eles ainda não estão formados, na arquibancada já mostraram ser especialistas no trabalho que fazem. O LANCE!Net transmite o jogo em tempo real.

Se o clima era de drama na chegada à cidade, durante os treinos ele foi melhorando e muitas risadas foram vistas. Nem mesmo as ausências de Elano e Cáceres e o empate com o Bolívar na semana passada foram suficientes para tirar o ânimo de quem esperou quase três horas para ver uma parte do treinamento, tentar alguns autógrafos e fotos. Pode ter sido o que faltava para Jayme de Almeida & Cia. conseguirem o objetivo tão esperado para seguirem vivos na briga por uma vaga nas oitavas de final da Libertadores.

E não é só fora do campo que o Flamengo tem um apoio grande. Dentro dele terá os retornos de Léo Moura e André Santos, que estavam machucados e não jogaram no Rio. Desta maneira, o time ganha experiência e força ofensiva com dois jogadores que foram referências nas assistências no ano passado. A não ser pelos desfalques, o Fla parece estar forte para a batalha que será a partida desta quarta-feira.

– Eu me senti em casa com os gritos em português e toda a festa para nós. Fiquei realmente feliz e espero retribuir esse carinho em campo. Faremos de tudo para vencer. Vou encarar essa partida como uma guerra – avisou Hernane.

Se o Bolívar tem a altitude, o Flamengo tem o peso da Nação que se faz presente em qualquer lugar. Resta saber o que pesará mais.