icons.title signature.placeholder Eduardo Moura
07/03/2014
18:14

O árbitro Márcio Chagas foi vítima de racismo na última quarta-feira, em jogo entre Esportivo e Veranópolis, na Montanha dos Vinhedos. O clube de Bento Gonçalves já identificou dois suspeitos dos xingamentos ao juiz no campo e repassou para a polícia gaúcha. Além disso, garante ressarcimento ao carro de Chagas e retirou o Boletim de Ocorrência que duvidava da versão dada pelo comandante da partida.

Quem garante tais situações é o presidente Luís Oselame. Nesta sexta-feira, ele assinou carta-aberta divulgada no site do Esportivo repudiando o ato. Em conversa com o LANCE!Net, afirmou que duas pessoas que teriam insultado Márcio já foram identificadas por testemunhas e encaminhadas para a polícia. Os responsáveis pela depredação do carro de Chagas e da colocação de bananas no teto e no escapamento do veículo ainda seguem incólumes. O mandatário espera que a polícia possa ajudar mais neste caso.

- Identificamos dois nomes. Entregamos para a polícia. O que acontece é que as pessoas foram identificadas por testemunhas visuais. Do que aconteceu ali dentro do campo. Lá fora, será mais difícil identificar, aconteceu muito tempo depois do jogo. Foi depois que o delegado da Federação saiu, após o pagamento da arbitragem, devolveu identidades dos nossos atletas. Não havia nada, ele não relatou. Voltou, foi embora, e daí o portão fica aberto. Só pode ter sido neste momento - explicou Oselame em contato telefônico com o L!Net.

O ressarcimento ao árbitro está garantido. O presidente garantiu que irá pagar os danos ao veículo sem problemas. Oselame enviou uma mensagem para Chagas pelo celular. Não conseguiu contato telefônico para se desculpar. Isto só foi feito nesta sexta, por meio do programa Jornal do Almoço, da RBS TV.

O julgamento do Esportivo deve acontecer na próxima quinta. O clube espera que, auxiliando na identificação de quem insultou o árbitro, possa ter sua situação atenuada. A pena para o descumprimento do artigo 243-G é perda de três pontos.

- É o que eu gostaria que acontecesse (punição atenuada). Fomos tomados de surpresa, essa ingrata surpresa. É impossível monitorar todas as ações de jogo. Antes, durante, depois, tantas coisas acontecem. Não tenho como estar em todos os momentos aqui e ali. É impossível. Gostaria que não sofresse punição severa, como perda de pontos. É tão difícil conseguir. Agora que estávamos nos restabelecendo - lamentou Oselame.

O vice-presidente Vladimir Santos de Oliveira havia registrado um BO acusando o árbitro Márcio Chagas de difamação. Segundo ele, o ato não teria acontecido na Montanha dos Vinhedos. No entanto, Oselame garantiu que a queixa foi retirada.