icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
09/03/2014
19:13

Após toda a polêmica envolvendo os insultos racistas ao árbitro Márcio Chagas da Silva, o Esportivo de Bento Gonçalves tentou se redimir. Neste domingo, antes da partida contra o Juventude, o time entrou em campo com camisas brancas e uma faixa. Em ambas, era possível ler a frase: "racismo não". 

Na última partida do Esportivo, diante do Veranópolis, a torcida do clube xingou Chagas por conta da cor de pele nos momentos que antecederam a partida, e durante toda a duração dela. E pior: depois de terminado o confronto, o árbitro chegou ao estacionamento privativo para a arbitragem para encontrar o próprio carro depredado e com bananas em cima do capô.

Após a bomba estourar, o clube do interior gaúcho chegou a duvidar da palavra do árbitro. Inclusive, divulgaram nota oficial contrariando o depoimento dele, e prestaram um Boletim de Ocorrência contra o juiz. Mais tarde, a agremiação arrependeu-se da atitude, retirou as queixas e prestou apoio ao árbitro.

Jogadores do Esportivo entraram em campo com faixa anti-racismo (Foto: Divulgação/Esportivo)

Mas as camisas e a mensagem podem não ser suficientes para limpar o histórico. Nesta quinta-feira, a instituição de Bento Gonçalves irá a julgamento por conta da conduta dos torcedores, e pode até ser rebaixada no Gaúchão.

Outros clubes também prestaram homenagem a Márcio Chagas da Silva. Na partida entre Aimoré e Internacional, em São Leopoldo, jogadores de ambas as equipes entraram em campo com máscaras imitando o rosto do árbitro.