icons.title signature.placeholder Eduardo Mendes, Maurício Oliveira e Thiago Salata
08/06/2014
10:57

Com informações minuciosas sobre o rival do Brasil na estreia da Copa, Alexandre Gallo, coordenador das Seleções de base e observador de Luiz Felipe Scolari, esteve em Salvador, na sexta-feira, apenas para certificar-se se a Croácia poderá apresentar alguma novidade para o jogo da próxima quinta-feira. Os relatórios que já estão sob poder da comissão técnica brasileira há dois meses terão alguns incrementos a partir deste domingo, quando Gallo chega à Granja Comary e encontrará Felipão.

Os últimos cinco jogos dos croatas foram monitorados pelo coordenador. Ele, inclusive, esteve na Europa quando a equipe fez amistosos por lá, entre eles o confronto diante da Suíça, no início de março, que terminou empatado em 2 a 2. Na época, Gallo também observava jogadores do time brasileiro sub-20 que atuam no continente.

Espião do Brasil, Gallo não revelou detalhes coletados no triunfo da Croácia por 1 a 0 sobre a Austrália na capital baiana, mas adiantou que tipo de equipe a Seleção terá de superar na Arena Corinthians na abertura da Copa.

– É um time de posse de bola, que troca passes e tem um bom meio de campo. Basicamente não vem muito diferente do que já estamos acompanhando – explicou ao LANCE!Net o coordenador brasileiro.

Além de Luka Modric, camisa 10 que joga mais recuado no 4-2-3-1 dos croatas, Gallo destacou outro jogador para o qual o Brasil terá de se atentar durante a partida.

– Darijo Srna, lateral-direito e capitão do time. Com Modric, têm a iniciativa do jogo e são jogadores muito importantes para a equipe funcionar – ressaltou.

Antes de assistir ao jogo da Croácia, Gallo também acompanhou a vitória do Brasil por 1 a 0 sobre a Sérvia. Apesar das semelhanças apontadas pela comissão técnica de Felipão entre as equipes serva e croata, o coordenador ressaltou um aspecto distinto entre os europeus:

– A Croácia é mais técnica que a Sérvia. Vamos encontrar dificuldades, pois têm bons jogadores e será o jogo da vida para eles.

Futuros rivais estão na mira

Durante a primeira fase, Alexandre Gallo terá uma outra missão. O coordenador técnico fará relatórios de jogos de possíveis adversários do Brasil na segunda fase da Copa do Mundo.

– Estarei com o time no primeiro jogo, mas depois vou acompanhar jogos de times que o Brasil poderá enfrentar nas oitavas de final até a semifinal. Acreditamos que podemos avançar longe na competição – apostou Gallo.

Além dele, o ex-zagueiro Roque Júnior também tem feito trabalho de observação.

Bate-Bola

Alexandre Gallo
Coordenador da base do brasil e observador de felipão ao LANCE!Net

O que você pode destacar do time croata no jogo amistoso contra a Austrália, na sexta?
Os detalhes serão passados para Felipão, então não pode dizer muita coisa. Eles entraram pouco acelerados, como todos os times que jogaram amistoso fizeram. É um jogo tenso por causa da preocupação com as lesões. Mas posso dizer que a Croácia joga mais do que mostrou na sexta-feira.

Quando começaram as observações dos adversários do Brasil?
Já tem um tempo que isso está sendo feito. Quando fui ver jogadores do time sub-20, aproveitei para ver um jogo contra a Suíça. Temos todos esses últimos jogos, como foram feitos os 30 gols e como eles sofreram os 19. É algo bem completo.

E como será esse trabalho ao longo da Copa do Mundo?
Temos reuniões e passos os primeiros vídeos. Depois montamos o material que é passado para a comissão técnica. Assim, irei acompanhar
jogos de possíveis adversários, mas sempre voltando para a Granja.

Na semana passada você foi campeão com a Seleção sub-21 do Torneio de Toulon. Como foi administrar a competição com o trabalho de observação para a Copa?
Na verdade, não existiu problema algum, porque tudo foi planejado com bastante antecedência. E na competição, tivemos um bom desempenho com os garotos. Aposto que muitos deles serão aproveitados futuramente no time principal do Brasil na próxima Copa.