icons.title signature.placeholder Marcio Porto
icons.title signature.placeholder Marcio Porto
23/07/2013
16:02

A maior esperança do Crac-GO na partida desta quarta-feira contra o Santos, pela Copa do Brasil, já esteve do outro lado e é bem íntimo da maioria dos jogadores do Peixe. Com 22 anos de idade, o atacante Danilo tem no currículo uma passagem pelo Alvinegro, no qual teve contato com jovens como Gustavo Henrique, Leandrinho, Pedro Castro e Neilton, que devem ser titulares na partida decisiva. A relação começou em 2010 e dura até hoje.

Por exemplo: no momento em que atendeu a reportagem do LANCE!Net no estádio Genervino da Fonseca, palco da partida desta quarta, Danilo trocava mensagens com Pedro Castro, um dos relacionados pelo técnico Claudinei Oliveira para ir a Catalão. Esperto, o santista queria tirar informações do amigo.

- Ele quer saber como que está o gramado. Falei que está ótimo (risos) - brincou Danilo, após olhar a mensagem do meia do Santos no aparelho celular.

No pouco tempo de Santos, Danilo teve a oportunidade de conhecer Neymar e viver a experiência de atuar em um grande clube, status para o qual sonha em retornar. Para isso, sabe que a decisão pela Copa do Brasil representa uma oportunidade de ouro e não quer desperdiçar, mesmo que, para isso, tenha de superar os ex-companheiros.

- Conheço todos: Gustavo Henrique, Leandrinho, Victor Andrade, Pedro Castro, Jubal, Neilton, Léo Cittadini. São todos meus amigos, jogam bola demais, sei da qualidade, mas é uma grande oportunidade não só para mim como para o clube. Espero poder ajudar para sairmos com essa classificação - afirmou o atacante.

Apesar dos elogios aos garotos santistas, Danilo comemorou quando recebeu a notícia de que a equipe chegaria desfalcada, sem Edu Dracena, Léo, Cícero e Montillo, mais renomados e experientes.

- Poxa, graças a Deus! (Risos). Os moleques são muito bons, mas esses jogadores tem qualidade e experiência, dificultaria demais para a gente - afirmou.

Além dos atletas, Danilo também guarda boas recordações do técnico Claudinei Oliveira, com quem trabalhou na base do Santos. Vale pedir uma vaguinha no time? Danilo brinca.

- Ah, se ele quiser me levar, estou aí, com maior prazer (risos). Ele sempre foi um grande treinador e sabe como trabalhar os garotos - declarou o jogador do Crac.

Curiosamente, esse reencontro com os ex-companheiros de base já era para ter acontecido antes. É que Danilo ficou fora da partida de ida, por problemas em seu contrato. Agora, regularizado, ele vai ficar com a vaga de Pantico, que está suspenso. Pela qualidade e conhecimento do rival, o atacante é a principal esperança do Leão do Sul para conseguir a classificação histórica.

Danilo chegou ao Santos em 2010 e saiu em 2011, para a Penapolense, clube do interior de São Paulo com o qual tem contrato até 2015. A partir do ano passado, ele passou a ser representado pelo DIS, braço esportivo do grupo Sonda, que tem parceria com o Penapolense e acertou seu empréstimo ao Crac.

A maior esperança do Crac-GO na partida desta quarta-feira contra o Santos, pela Copa do Brasil, já esteve do outro lado e é bem íntimo da maioria dos jogadores do Peixe. Com 22 anos de idade, o atacante Danilo tem no currículo uma passagem pelo Alvinegro, no qual teve contato com jovens como Gustavo Henrique, Leandrinho, Pedro Castro e Neilton, que devem ser titulares na partida decisiva. A relação começou em 2010 e dura até hoje.

Por exemplo: no momento em que atendeu a reportagem do LANCE!Net no estádio Genervino da Fonseca, palco da partida desta quarta, Danilo trocava mensagens com Pedro Castro, um dos relacionados pelo técnico Claudinei Oliveira para ir a Catalão. Esperto, o santista queria tirar informações do amigo.

- Ele quer saber como que está o gramado. Falei que está ótimo (risos) - brincou Danilo, após olhar a mensagem do meia do Santos no aparelho celular.

No pouco tempo de Santos, Danilo teve a oportunidade de conhecer Neymar e viver a experiência de atuar em um grande clube, status para o qual sonha em retornar. Para isso, sabe que a decisão pela Copa do Brasil representa uma oportunidade de ouro e não quer desperdiçar, mesmo que, para isso, tenha de superar os ex-companheiros.

- Conheço todos: Gustavo Henrique, Leandrinho, Victor Andrade, Pedro Castro, Jubal, Neilton, Léo Cittadini. São todos meus amigos, jogam bola demais, sei da qualidade, mas é uma grande oportunidade não só para mim como para o clube. Espero poder ajudar para sairmos com essa classificação - afirmou o atacante.

Apesar dos elogios aos garotos santistas, Danilo comemorou quando recebeu a notícia de que a equipe chegaria desfalcada, sem Edu Dracena, Léo, Cícero e Montillo, mais renomados e experientes.

- Poxa, graças a Deus! (Risos). Os moleques são muito bons, mas esses jogadores tem qualidade e experiência, dificultaria demais para a gente - afirmou.

Além dos atletas, Danilo também guarda boas recordações do técnico Claudinei Oliveira, com quem trabalhou na base do Santos. Vale pedir uma vaguinha no time? Danilo brinca.

- Ah, se ele quiser me levar, estou aí, com maior prazer (risos). Ele sempre foi um grande treinador e sabe como trabalhar os garotos - declarou o jogador do Crac.

Curiosamente, esse reencontro com os ex-companheiros de base já era para ter acontecido antes. É que Danilo ficou fora da partida de ida, por problemas em seu contrato. Agora, regularizado, ele vai ficar com a vaga de Pantico, que está suspenso. Pela qualidade e conhecimento do rival, o atacante é a principal esperança do Leão do Sul para conseguir a classificação histórica.

Danilo chegou ao Santos em 2010 e saiu em 2011, para a Penapolense, clube do interior de São Paulo com o qual tem contrato até 2015. A partir do ano passado, ele passou a ser representado pelo DIS, braço esportivo do grupo Sonda, que tem parceria com o Penapolense e acertou seu empréstimo ao Crac.