icons.title signature.placeholder Bruno Grossi
30/04/2014
07:00

À espera do sim do empresário e pai de Alan Kardec, que será enviada na manhã desta quarta-feira, o presidente Carlos Miguel Aidar aproveitou a entrevista coletiva da última terça-feira no Morumbi para explicar que pagará à vista os 4,5 milhões de euros (R$ 13,7 milhões) pelos direitos do atacante que pertence ao Benfica (POR).

A forma de pagamento, no entanto, não agrada completamente à diretoria tricolor, mesmo que os cofres estejam fortalecidos com adiantamento de cotas de televisão. Nas últimas contratações de grande porte, como tirar Luis Fabiano do Sevilla (ESP) em 2011, a compra foi dividida. A última parcela dos R$ 23,4 milhões foi paga em abril deste ano.

– Pagaremos à vista porque, felizmente, temos caixa para isso. Normalmente o clube detentor dos direitos dos jogadores é quem define como será pago. Para quem compra, o ideal é sempre parcelar em dois anos, por exemplo – explicou o diretor financeiro são-paulino, Osvaldo Vieira ao LANCE!Net.

Alan Kardec está em Barra Mansa, cidade do sul do Rio de Janeiro, na companhia do pai e empresário, que também se chama Alan Kardec. O atacante tem evitado a imprensa e até mesmo as redes sociais desde que deixou treino do Palmeiras alegando crise de gastrite. Pai e filho se isolaram na última terça-feira para se distanciarem das farpas trocadas entre Aidar e Paulo Nobre, presidente do Verdão.