icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
30/07/2014
08:00

2 anos da minha medalha! 2 anos para Rio-2016

Essa semana é muito especial para mim. No dia 28 de julho de 2012 conquistei minha primeira medalha olímpica, na prova dos 400m medley. Como se já não fosse alegria o suficiente, ainda consegui o que pouquíssimos podem se orgulhar de ter feito: venci o maior atleta olímpico de todos os tempos, Michael Phelps.

O resultado foi fruto de muito treino, preparação física, nutrição e suplementação adequada. As coordenadas da piscina de Londres, os 4m8s86 e o símbolo olímpico estão tatuados na minha história e na minha pele.

Dois anos depois, o trabalho só aumentou! Nos esportes de alto rendimento, a preparação para os Jogos do Rio de Janeiro começaram no dia que acabaram as Olimpíadas de Londres. Quatro anos passam rápido e já se passou metade deles!

Até 2016, grandes competições serviram e servirão como incentivo, treinamento e preparação para que o resultado seja o melhor. Treinei bastante desde que voltei de Londres e muitos resultados positivos foram alcançados, como as medalhas no Mundial de 2013. De hoje até os Jogos, ainda vou tentar quebrar o recorde de medalhas no Pan e conquistar mais pódios no Mundial de Kazan.

Que seja dada a largada para a contagem regressiva: faltam menos de dois anos para começar a maior festa do esporte mundial. Acabou a Copa do Mundo e agora é a nossa hora de brilhar! Os atletas olímpicos brasileiros estão treinando muito e fazendo o melhor para representar nosso país e orgulhar o nosso povo!

Que as atenções sejam direcionadas aos Jogos de 2016, com mais espaço na mídia, apoio e muita torcida. O Brasil, mais uma vez, poderá mostrar ao mundo que não só sabe fazer eventos e receber bem os turistas, como também pode ser uma potência do esporte.

O que eu posso garantir para vocês, é que estou me dedicando muito! São nove sessões de treinos de segunda à sábado, intensa preparação física na musculação, consultas com o médico do esporte, nutricionista, osteopatia, acupuntura, psicologia e fisioterapia.

Penso na medalha olímpica 24 horas por dia, e tenho feito tudo que está ao meu alcance pra que ela se torne uma realidade.

Meu próximo desafio internacional no ano será no final de Agosto, na Austrália. Após o Sul-Americano do Chile, o GP de Charlotte nos Estados Unidos e o Open da França, será a vez do que é considerado uma Olimpíada sem europeus: o Pan-Pacífico de natação.

O evento é considerado o mais forte da temporada e reunirá os melhores do mundo. Conto com a torcida de todos em mais uma etapa do meu percurso rumo ao pódio no Rio de Janeiro, em 2016.

* Thiago Pereira é vice-campeão olímpico e detém duas medalhas de bronze em campeonatos mundiais