icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
29/07/2013
11:58

O jogador Christian Benítez, de 27 anos, morreu nesta segunda-feira em Doha, no Qatar. O equatoriano se transferiu há pouco tempo para Al Jaish e feito sua estreia no domingo contra o Qatar Sports Club. De acordo com a Federação Equatoriana de Futebol, o atacante sofreu uma parada cardíaca fulminante e não resistiu.

- O clube deseja todos os sentimentos para a família do jogador - afirma o comunicado oficial do Al Jaish.

Com passagens por clubes como El Nacional (EQU), Santo Laguna (MEX), Birmingham (ING) e América do México, Benítez era convocado com frequência para a seleção equatoriana. Ele tinha até o momento 58 jogos e marcado 24 gols. Sua última partida pelo país aconteceu no dia 7 de junho, na derrota para o Peru pelas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2014.

Através de redes sociais, Valencia, do Manchester United e companheiro do atacante na seleção equatoriana, deixou uma mensagem de apoio. O Birmingham também publicou uma mensagem carinhosa para o seu ex-jogador.

"Chucho", como era conhecido o Benítez, esteve ligado a uma possível transferência para o Tottenham antes de acertar sua ida para o Al Jaish.

ACADEMIA LANCE!

Nabil Ghorayeb
Cardiologista do Hospital do Coração

Ninguém morre estando saudável. Quando morre alguém no esporte, ou morre por uso e abuso de drogas lícitas ou ilícitas ou por algum tipo de excesso que ele fez. Em segundo lugar, por doenças diagnosticadas e não valorizadas pelo atleta. E em terceiro, falta de diagnóstico por incompetência da avaliação médica.

A Fifa catalogou que em cinco anos houve 82 mortes de futebolistas profissionais. Em função disso, supomos que o Christian Benítez tenha se cuidado.

No caso dele, a primeira possibilidade é de que tenha sofrido um infarto. Para matar por infarto, há duas condições: ter colesterol alto ou outro fator de risco associado e doenças chamadas genéticas ou congênitas, em que o atleta nasce com o problema.

Adquiridas, ou seja, que pegou alguma coisa, podem ter duas causas: miocardite, que é uma inflamação do coração por conta de uma virose qualquer, que leva a uma arritmia e morte. A segunda hipótese é de infarto no miocárdio. Para um indivíduo com 27 anos sofrer infarto tem duas causas: o entupimento das artérias, por conta de colesterol alto e outras doenças, e origem anómala das coronárias, em que as artérias coronárias nascem em lugar errado na parte de cima do coração e se estiverem passando por dentro do coração podem provocar a morte.

O que o COI, a Fifa e nós aqui no Brasil descobrimos: 10% das mortes de atletas com menos de 35 anos foi por causa do entupimento das coronárias por gordura. As principais causas são congênitas ou genéticas, que é por conta de doenças do músculo cardíaco e mutações que provocam alterações no coração. Mas 10% são por causa de gordura.

O jogador Christian Benítez, de 27 anos, morreu nesta segunda-feira em Doha, no Qatar. O equatoriano se transferiu há pouco tempo para Al Jaish e feito sua estreia no domingo contra o Qatar Sports Club. De acordo com a Federação Equatoriana de Futebol, o atacante sofreu uma parada cardíaca fulminante e não resistiu.

- O clube deseja todos os sentimentos para a família do jogador - afirma o comunicado oficial do Al Jaish.

Com passagens por clubes como El Nacional (EQU), Santo Laguna (MEX), Birmingham (ING) e América do México, Benítez era convocado com frequência para a seleção equatoriana. Ele tinha até o momento 58 jogos e marcado 24 gols. Sua última partida pelo país aconteceu no dia 7 de junho, na derrota para o Peru pelas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2014.

Através de redes sociais, Valencia, do Manchester United e companheiro do atacante na seleção equatoriana, deixou uma mensagem de apoio. O Birmingham também publicou uma mensagem carinhosa para o seu ex-jogador.

"Chucho", como era conhecido o Benítez, esteve ligado a uma possível transferência para o Tottenham antes de acertar sua ida para o Al Jaish.

ACADEMIA LANCE!

Nabil Ghorayeb
Cardiologista do Hospital do Coração

Ninguém morre estando saudável. Quando morre alguém no esporte, ou morre por uso e abuso de drogas lícitas ou ilícitas ou por algum tipo de excesso que ele fez. Em segundo lugar, por doenças diagnosticadas e não valorizadas pelo atleta. E em terceiro, falta de diagnóstico por incompetência da avaliação médica.

A Fifa catalogou que em cinco anos houve 82 mortes de futebolistas profissionais. Em função disso, supomos que o Christian Benítez tenha se cuidado.

No caso dele, a primeira possibilidade é de que tenha sofrido um infarto. Para matar por infarto, há duas condições: ter colesterol alto ou outro fator de risco associado e doenças chamadas genéticas ou congênitas, em que o atleta nasce com o problema.

Adquiridas, ou seja, que pegou alguma coisa, podem ter duas causas: miocardite, que é uma inflamação do coração por conta de uma virose qualquer, que leva a uma arritmia e morte. A segunda hipótese é de infarto no miocárdio. Para um indivíduo com 27 anos sofrer infarto tem duas causas: o entupimento das artérias, por conta de colesterol alto e outras doenças, e origem anómala das coronárias, em que as artérias coronárias nascem em lugar errado na parte de cima do coração e se estiverem passando por dentro do coração podem provocar a morte.

O que o COI, a Fifa e nós aqui no Brasil descobrimos: 10% das mortes de atletas com menos de 35 anos foi por causa do entupimento das coronárias por gordura. As principais causas são congênitas ou genéticas, que é por conta de doenças do músculo cardíaco e mutações que provocam alterações no coração. Mas 10% são por causa de gordura.