icons.title signature.placeholder Michel Castellar
13/06/2014
16:01

Cerca de 100 torcedores foram ao hotel onde a seleção do Equador ficará hospedada para recepcionar os jogadores que chegaram nesta sexta-feira a Brasília. No domingo, os equatorianos estreiam na Copa do Mundo contra a Suíça, mas quem roubou a atenção do lado de fora da instalação foi uma brasileira, Valéria Santana, a MC Bandida.

Natural de Brasília, Valéria, de 27 anos, é formada em jornalismo e foi atrás dos equatorianos para ver se conseguia um autógrafo do meia Valencia, do Manchester United. A predilação pela seleção sul-americana foi influenciada por seu produtor José Carlos Quezeda, que nasceu no Equador mas há 20 anos mora no Brasil.

- Queria um autógrafo dele, mas eles nem desceram do ônibus. Vou torcer por eles, menos contra o Brasil. E domingo vou ao estádio - disse Valéria, que posou para fotos com vários torcedores equatorianos.

Enquanto Valéria fazia sucesso, um torcedor parado em sua pick-up a alguns metros apenas observava a cena. O comerciante Juan Zambrano Osório, acompanhado por dois tios e um irmão, viajou por nove dias de carro até o Brasil.

O quarteto conseguiu ingressos para as partidas do Equador na fase de grupos da Copa e vão seguir a seleção a bordo de sua pick-up. No Brasil, eles chegaram há quatro dias.

- Daqui vamos para Curitiba e, depois, o Rio. Saímos da cidade de El Carmem Manabi, largamos as mulheres para trás e pintamos nosso carro. Tudo pelo Equador. É o nosso primeiro Mundial - contou Osório.

Osório ainda confessou estar encantado com o Brasil. Sobre os problemas de violência ou hospedagem, frisou não ter enfrentado nenhum até o momento.