icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
18/03/2014
12:30

A entrada de Carlos Eduardo entre os titulares do Flamengo, na partida desta quarta-feira, diante do Bolívar, na Bolívia, acontece mais por falta de opção do que pela qualidade do meia. Para este confronto pela Copa Libertadores, o técnico Jayme de Almeida não pode contar com o titular Elano e, visando dar mais cadência ao time na altitude - em La Paz, local do jogo, a altitude é a de 3.700m -, deixou o jovem Lucas Mugni no banco e optou pelo contestado, mas experiente jogador, para a vaga de titular.

Com os dias contados no Flamengo, já que o próprio empresário admitiu o retorno ao Rubin Kazan, da Rússia, no meio deste ano, Carlos Eduardo entrará em campo como titular após quase dois meses fora. A última vez que o meia ocupou a vaga entre os 11 jogadores que iniciam a partida foi no confronto contra o Macaé, no dia 2 de fevereiro, pelo Campeonato Carioca.

E MAIS
> De León a La Paz, torcedores acompanham o Flamengo na fase de grupos
> Mesmo com Flamengo na cidade, jornal local dá destaque para Maradona
> Preocupado com o Carioca, Rubens Lopes deixa briga pela CBF de lado

Após a chegada de Lucas Mugni, Carlos Eduardo virou a terceira opção para o meio de campo do Flamengo. Esta oportunidade inesperada dada para ele nesta partida na altitude não deve ter sequência até o fim do empréstimo e a saída do meia da Gávea. Mesmo com isto, o jogador encara o jogo com seriedade, já que uma derrota pode fazer com que as chances de classificação do Rubro-Negro para a fase de mata-mata chegue perto do zero.

- Eu vou encarar esse jogo como uma guerra. Não podemos entrar moles e vamos jogar para vencer. Teremos de segurar um pouco mais atrás para não cansar muito, mas faremos de tudo para sair de La Paz vencedores. É necessário - afirmou Carlos Eduardo.

O Flamengo deve entrar em campo nesta quarta-feira com Felipe, Léo Moura, Wallace, Samir e André Santos; Amaral, Muralha, Carlos Eduardo, Gabriel e Everton; Hernane. Esse foi justamente o time treinado por Jayme de Almeida no coletivo da última segunda-feira, o primeiro realizado em território boliviano.