icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
02/02/2015
01:32


Patriots festeja o touchdown. O time levou o Super Bowl  49 ao bater o Seattle (T. Pennington)

O New England Patriots sagrou-se campeão do Super Bowl 49 ao derrotar o Seattle Seahawks por 28 a 24, no início da madrugada desta segunda-feira. Foi um jogo dramático e, como ocorreu em quase todas os duelos dos playoffs, cheio de nuances e reviravoltas. Afinal, depois de massacrar durante quase todo o primeiro tempo,  o Patriots viu o rival se agigantar no terceiro quarto, abrir uma vantagem que parecia definitiva. Mas, comandado por Tom Brady e com os recebedores Amendola e Edelman conseguindo furar a melhor defesa da Liga, conseguiu um triunfo inesquecível. E teve um final de tirar o fôlego, pois o Seattle teve a bola do jogo no último ataque  e viu seu quarterback ser interceptado na endzone pelo novato Malcolm Buttler. Foi o quarto título dos Patriots, também campeão em 2002, 2004 e 2005.

Tom Brady fez história. Ele foi o MVP da final. Com passes para quatro touchdowns, chegou aos 12 e superou a marca de Joe Montana. E, assim como o Patriots, alcançou o seu quarto título. Somente ele, Montana e Terry Bradshaw (ex-quarterback do Pittsburgh Steelers) são tetracampeões. Além dos Tds, Brady passou para 328 jardas, acertando 37 passes em 50 tentativas. E sofreu duas interceptações.

Primeiro tempo

O primeiro tempo foi incrível e estranho. O Seattle Seahawks levava uma surra e não conseguia nada até a metade final do segundo quarto, embora o placar estivesse apenas 7 a 0 para o New England Patriots. E só foi marcar seus primeiros pontos quando restavam pouco mais de dois minutos para o fim.  Depois disso, o jogo pegou fogo, com os times conseguindo touchdowns e seguindo para o vestiário com o placar em 14 a 14.

Primeiro quarto: Seattle nada fez

Este quarto passou voando, com o Seattle não fazendo nada no ataque e se matando na defesa. O Patriots com boas variações. O primeiro ataque do New England não deu em nada, mas mostrou o que seria a tônica de seu jogo. Como era esperado, muitos passes.  Em seis jogadas foram três lançamentos em quatro tentativas curtas para quatro alvos diferentes e duas corridinhas de LeGarrette Blount. O Seattle também fez o esperado. Bola para o running back Marshawn Lynch. Foram três para a "Besta", que correu oito jardas e não conseguiu avançar.


Brady conversa com os companheiros para avaliar a próxima jogada do ataque (AFP/T. Pennington)

Já a segunda jogada do New England foi longa, com quase oito minutos e ótimas variações em jardas terrestres e passes curtos. Na red zone, o Patriots estava na boca para pontuar, mas quando Brady tentou o passe para o touchdown, Lane conseguiu a interceptação, salvando o Seattle (e se machucando no lance).

Segundo quarto: emoções nos minutos finais

O Seattle estava inoperante. E seguiu assim durante boa parte da metade final do primeiro tempo. No momento em que Tom Brady achou Brandon LaFell  para completar 14 jardas e fazer 7 a 0, o quarterback do Patriots já contabilizava 14 passes completos em 18 tentativas e 118 jardas conquistadas. Russell Wilson, zero.


Lynch quebra os tackles e faz o primeiro touchdown do Seattle Seahawks (AFP R. Martinez)

O Seattle conseguiu a sua primeira jogada com avanço (as quatro anteriores terminaram em punt sem alcançar uma vez sequer as dez jardas), quando Wilson acertou seu primeiro passe, um curtinho para Kearse. O time acordou. A jogada seguinte foi um lançamento cinematográfico de 44 jardas de Wilson para Chris Matthews - que recebeu um passe pela primeira vez na NFL! - e o fim da campanha  terminou com  Marshawn Lynch entrando na end zone e empatando em 7 a 7.

Os três minutos finais foram espetaculares. Tom Brady trabalhou muito bem  a variação de jogadas numa campanha de 65 jardas que culminou num touchdown com Gronkowski.


Gronkowski encaixa o passe de 22 jardas de Brady. Touchdown para o Patriots (AFP/R. Martinez)

Com a posse de bola faltando 36 segundos para o intervalo, o Seattle conquistou 65 jardas, sendo que no último lance, restando seis segundos, Chris Matthews recebeu passe de onze jardas para empatar em 14 a 14.

Segundo Tempo

Terceiro Quarto: Seattle abre vantagem

O Seattle voltou bem ligado do intervalo. E sua primeira campanha foi muito boa. Lynch trabalhou bem as corridas, sendo usado em cinco das sete jogadas.  Mas o grande lance foi mais um passe longo de Russell de 45 jardas que Matthews encaixou. Era espantoso observar que um jogador que entrou na final com nenhuma bola recebida na carreira, naquele momento estava com três recepções, 100 jardas e um touchdown. Felizmente para o Patriots, a sua defesa trabalhou bem e o Seattle só conseguiu um field goal, passando pela primeira vez na frente, com 17 a 14.


Chancellor e Byron festejam. Os homens da defesa do Seattle mandaram bem na jogada (R. Martinez)

O New England estava nervoso. A marcação do Seattle estava encaixada e feroz. Tom Brady era obrigado a lançar num período de tempo menor do que estava acostumado e isso acabou sendo fatal quando ele buscou uma ligação rápida num passe de média distância que acabou interceptado por Bobby Wagner, o lineback do Seattle que foi um dos seis finalistas para o prêmio de MVP da temporada. A posse de bola foi muito bem aproveitada.  Quatro jogadas terrestres e um passe (para Matthews, claro) antes do lançamento de três jardas para Doug Baldwin  colocar 24 a 14 no placar.   

Quarto quarto: Patriots vira. E o final é dramático

O último quarto recolocou o New England Patriots no jogo. A campanha de nove jogadas, baseadas nos escorregadios Edelman (uma recepção de 22 jardas) e Amendola levaram o time ao touchdown, marcado por Amendola, que encaixou na end zone o lançamento de quatro jardas de Brady. 

Com 24 a 21 no placar e restando oito minutos para o fim da temporada, era preciso que a defesa do Patriots fosse perfeita. E ela conseguiu parar Lynch, conseguindo, após o punt, recuperar a bola para o time. Restava a jogada da partida e ela estava nas mãos de Brady.

O camisa 12 não mudou o esquema. Passes, passes e passes. Até achar, quando restavam dois minutos para o fim, Edelman totalmente livre. Era a virada do New England Patriots: 28 a 24. Foram oito passes e oito acertos de Brady. E tome virada.

Restava ao Seattle o último ataque de uma final sensacional. Assim como ocorreu na final da NFC diante do Green Bay, quando a derrota parecia iminente, Lynch deixou de ser corredor para fazer as vezes de recebedor. E conseguiu encaixar a bola e ainda usar a sua força física para correr mais um pouquinho e ganhar 31 jardas.  Após dois passes errados, Wilson conseguiu o avanço.


Edelman fez a jogada decisiva e o touchdown da virada do New England (T. Pennington)

A jogada seguinte foi impressionante. Um lançamento de Ave-Maria de 33 jardas de Russell foi na direção de Kearse.  Ele dividiu com o safety Buttler e ambos caíram, só que a bola foi cair exatamente na barriga de Kearse. Com um minuto para o fim e a bola na jarda 5, o bicampeonato estava nas mãos. Era só deixar a bola com Lynch. Ele correu a primeira e ganhou quatro jardas. Bola na jarda 1 para o touchdown.

A barulhenta torcida do Seattle estava prestes a comemorar, mas Wilson arriscou não a corrida óbvia, mas sim o passe. Tentou achar Ricardo Lockette. Porém, quem se antecipou foi Malcolm Buttler,  um calouro. Ele interceptou a bola.

Daí para a frente foi deixar o tempo passar. E nem mesmo o destempero do Seattle, que viu alguns jogadores partirem para a briga com alguns rivais do Patriots, apagou a festa do Patriots. Tetracampeão. Brady, tetracampeão. E o improvável herói Buttler chorava de emoção por ter sido o jogador que garantiu o título.