icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
18/04/2014
18:50

Já fazem cinco dias. Mas ainda é assunto e ecoa na cabeça e no vestiário dos gremistas. O Gre-Nal foi um assunto que tomou grande parte da entrevista coletiva do técnico Enderson Moreira no final da manhã desta sexta-feira. O comandante voltou a falar do sentimento de dor e sofrimento dos jogadores por conta da goleada do rival, mas afirmou que o Grêmio está no caminho de um título importante.

O 6 a 2 no placar agregado deixou os gremistas envergonhados. Barcos e Marcelo Grohe usaram esta palavra durante a semana para relatar o sentimento no vestiário.

- Queria aproveitar e falar para o torcedor que essa derrota doeu em todos nós. Fizemos tudo o que podia ser feito, duas competições que tentamos de todas as formas jogar da melhor forma. Pegamos um grupo difícil na Libertadores, classificando parece que foi fácil, mas olhando os confrontos sabemos que foi difícil. Foi algo meu de entrar com a equipe principal. Ficamos muito tristes de não conseguir que o torcedor comemorasse um título nesta primeira etapa do ano. Nosso vestiário ficou chateado, muito triste. Já mostra o caráter de todos. E o que deixou feliz foi que todos se colocaram à disposição para dar entrevista, aparecer aqu. Não temos que justificar nada, mas sabemos que é importante dar a resposta. Já demos demonstrações de superação e vamos continuar com esse pensamento. Foi doído para todos os torcedores como foi para nós, estamos sofrendo na carne no dia a dia. Sentimento de não dar alegria para quem sempre nos apoiou é de uma tristeza enorme, mas não podemos abaixar a cabeça - disse Enderson.

A pressão é ainda maior no Grêmio por conta do jejum de títulos. O último Gauchão foi em 2010 - o Inter é tetracampeão desde então. E um título de expressão maior não vem desde 2001, com a conquista da Copa do Brasil. Evidentemente, o atual elenco não estava presente em todos os anos. Mas entende a cobrança dos gremistas. Enderson garante que vê a possibilidade de um título cada vez mais próxima.

- Futebol não tem justiça, é injusto. Falo para os atletas neste sentido. Temos 36 atletas, todos trabalham da mesma forma, mas apenas 11 começam. Injustiça na essência. Sou o responsável por tudo que acontece na equipe. No nosso futebol a responsabilidade é do treinador e não vou tentar sair disso. O que falo é que estamos trabalhando muito. Para dar a alegria que o torcedor espera, que aguarda uma grande conquista. Talvez conseguissemos o Gaúcho e a ansiedade permaneceria. Estamos vivos na principal competição do continente. O elenco do Grêmio está próximo de uma grande conquista - discorreu o treinador.

O Grêmio ainda treinará na manhã deste sábado, no Olímpico, antes da viagem para Florianópolis, onde enfrentará o Atlético-PR, por conta de punição dos paranaenses. O confronto acontece no domingo, às 16h.