icons.title signature.placeholder Eduardo Moura
22/03/2014
08:03

Enderson Moreira após o empate com o Newell's Old Boys, na Argentina, ainda no vestiário do Marcelo Bielsa, falou para os jogadores: "O mérito é de vocês, só de vocês, que acreditam no trabalho". Não é verdade. O Grêmio de 2014 tem muito de Enderson Moreira. Os jogadores e o próprio presidente Fábio Koff são aqueles que afirmam que o treinador tem sido peça fundamental na campanha na Libertadores e no Gauchão até o momento.

Acostumado a "lançar" treinador, Koff acredita que deu o pulo correto. Já o havia feito com Valdir Espinoza, campeão do mundo em 83. Ou com Luiz Felipe Scolari, campeão da América em 95. A intenção é fazer o mesmo com Enderson. Na análise do presidente, o comandante consegue colocar um espírito de grupo que não se via no clube gaúcho.

- Não há um jogador que não marca. Há uma solidadriedade muito grande no grupo. Eu acho que sim (caminho de Felipão e Espinoza). É um jovem. Ambicioso. Estudioso. Tem uma preleção didática, pedagógica. Mantém uma relação boa com os atletas. O nível do vestiário do Grêmio fazia anos que não era igual ao atual. Há um espírito de solidariedade entre os atletas, muito grande, de cooperação - comentou o mandatário gremista.

Enderson comanda os trabalhos de reservas ou titulares de maneira igual. Pouco se vê recreativos pelso lados do Olímpico. O treinador gosta de fazer trabalhos setorizados, mas constantemente reúne o time e trabalha em campo reduzido. O que resulta em um time compacto, um dos trunfos do Grêmio em Rosário. Sem esquecer seu viés de ataque.

- É um treinador que deposita confiança no grupo e nos deixa à vontade. Atacamos mais nos jogos, ano passado esperávamos uma bola apenas. Estamos marcando bastante gols e nos defendendo bem. Espero que continuemos assim até o final do ano, com títulos, que é o mais importante - comentou lateral-esquerdo Wendell.

Desde que assumiu o Grêmio, Enderson sempre tentou colocar em campo a equipe titular. Exceção feita à última rodada do Gauchão, quando colocou em campo o time suplente inteiro, por conta da viagem para Rosário. O mesmo valerá para a maratona que se avizinha ao Tricolor, em caso de classificação sobre o Juventude, às 16h, no domingo. O treinador tem sete vitórias, quatro empates e uma derrota. O que dá 69,4% de aproveitamento.

- Acredito que nossa equipe vai evoluir mais ainda com o Enderson aqui. Esperamos que a gente conseguindo os objetivos, a gente possa ir em busca de tudo no ano. E aprender muito com o Enderson. Já aprendemos muito e vamos aprender mais durante o ano - destacou o zagueiro Werley.

Enderson Moreira, com seu jeito pacato, sem frases feitas ou brincadeiras em entrevistas, vai se consolidando em seu primeiro trabalho em um clube de mais peso do Brasil. Resta ver o que as decisões reservarão para o treinador.