icons.title signature.placeholder Craque do Futuro - Bruno Barbosa
18/03/2014
18:22

Para o irlandês mais apegado à religião, o título do torneio Six Nations, conquistado neste sábado pela seleção de rúgbi da República da Irlanda, contra a França, não seria possível sem a ajuda de São Patrício. Já o torcedor menos devoto tende a creditar a vitória heroica por 22 a 20 diante dos franceses, em pleno Stade de France, em Paris, exclusivamente ao talento e dedicação dos jogadores e comissão técnica.

Mas, na realidade, assim que o árbitro Steve Walsh apitou o fim do jogo e a Irlanda assegurou o troféu, os torcedores deixaram suas crenças e opiniões de lado e partiram para as comemorações. Dublin, capital do país, vive esse clima efervescente pelo título da Six Nations e também pelo tradicional Dia do São Patrício, o santo padroeiro da Irlanda que, oficialmente, tem o feriado celebrado neste dia 17 de março.

Fanáticos pelo esporte da bola oval, milhares de torcedores irlandeses se aglomeraram em diversos pubs da cidade neste sábado para assistir ao jogo diante da França. Três horas antes do pontapé inicial já não havia mais espaço para andar dentro desses locais. A maioria das placas dos estabelecimentos destinadas à divulgação do cardápio do dia, foi preenchida com o anúncio do rúgbi.

Situado no famoso bairro do Temple Bar, o Oliver St. John Gogarty é um desses típicos pubs irlandeses. E foi nele que o LANCE!Net acompanhou do início ao fim as emoções, frustrações e, claro, os gritos de campeão dos vencedores.

Com bandeira do país enrolada ao corpo e olhar fixo em uma das TVs de plasma, um torcedor cruza os dedos das mãos logo após ser questionado se a Irlanda vencerá o jogo.

– Hoje é o dia – disse ele.

Menos de dois metros à frente, um grupo de três torcedores franceses agem como se estivessem em Paris. Um deles agita uma bandeira da França. Os três juntos gritam “Allez les bleus! Allez les bleus!” a cada bom momento da seleção.

– Como você pode ver, aqui não tem briga, todos torcem tranquilos – quem garante é o irlandês Adrian, que ainda aproveita para dar uma cutucada no futebol.

– No campo também é difícil ver discussão. Quando o juiz para um lance, parou. Não tem reclamação dos jogadores como no futebol.

O clima de provocação, porém, existe. Um galo de borracha, em referência ao animal que simboliza o escudo da seleção da França, é castigado por irlandeses. Mas nada além disso.

Em um outro canto do pub, uma banda toca, simultaneamente ao jogo, música ao vivo. As canções são emendadas, sem delay, umas às outras. Até que, por cerca de dez segundos, os músicos param para assistir, atentos, uma conversão desperdiçada pelo fly-half irlandês Jonathan Sexton.

Em seguida, a música retorna e os franceses, também: “Allez les bleus! Allez les bleus!”

O mesmo Sexton, um dos melhores chutadores do mundo, iria se tornar, pouco tempo depois, o homem do jogo. Com dois tries, dois gols de pênalti e outras duas conversões, ele praticamente deu à Irlanda o título do Six Nations.

Título este que foi antecipado pelas caixas de som do pub quando ainda restavam alguns minutos para o fim da partida. “We Are the Champions”, da banda Queen, começou a tocar. Os irlandeses começaram a se abraçar e os franceses, a se lamentar.

– É sempre muito difícil bater a França em Paris – reconhece Patrick Boyle, professor e torcedor.

Boyle está coberto de razão. Nos últimos 42 anos, esta é apenas a segunda vitória irlandesa diante da França atuando em território francês.

Por isso, afirma o docente, é mais um motivo para festejar.

– O povo (de outros países) fala das festas daqui, mas a curtição do povo irlandês é isso, ir para o pub beber.

A história do rúgbi irlandês se enriqueceu com a conquista da Six Nations. Mas agora eles não terão mais o “Pelé” da bola oval. Brian O’Driscoll, considerado o maior jogador da história do rúgbi irlandês, se aposentou neste sábado.

A SIX NATIONS DE RÚGBI

O torneio RBS Six Nations, ou Seis Nações, é o campeonato de rúgbi mais tradicional da Europa. Além da República da Irlanda, participam do torneio a Inglaterra, Escócia, País de Gales, França e Itália. A competição é disputada desde 1883. A fórmula de disputa é de pontos corridos e em turno único.

O DIA DE SÃO PATRÍCIO

O feriado do Dia do São Patrício, ou Saint Patrick's Day, é comemorado oficialmente todo dia 17 de março, data em que, acredita-se, o santo faleceu. O Dia do São Patrício é celebrado em todos os países de língua inglesa, mas é na República da Irlanda que a tradição é levada à risca. Afinal de contas, São Patrício é conhecido por ser o padroeiro da Ilha Esmeralda. Hoje em dia as comemorações pelo dia do santo já se espalharam pelo mundo, inclusive no Brasil.