icons.title signature.placeholder Felipe Mendes
12/03/2014
15:50

Eliminado da Superliga Masculina ao perder nas quartas de final para o Vivo/Minas, na noite de terça-feira, o RJ Vôlei luta para disputar a próxima temporada. Com a vaga garantida na edição 2014/2015, a equipe confirmou a renovação do contrato com Furnas até 2016. Mas isso não é o suficiente para a permanência do time. A partir de agora, o diretor José Inácio Salles tentará a manutenção das parcerias com o isotônico Ironage, com a Oi e com o Tijuca Tênis Clube, além de tentar novas empresas.

- Temos a vaga garantida na próxima temporada e acredito muito na continuidade do projeto. Lutei muito para isso. Vim para o Rio de Janeiro não numa aventura e sim num novo desafio na minha carreira. Vou continuar lutando para que tenhamos uma equipe competitiva na cidade olímpica - disse o técnico Marcelo Fronckowiak.

A crise financeira do RJ Vôlei, antigo RJX, começou no fim do ano passado quando seu principal patrocinador, a OGX, de Eike Batista, começou a cortar custos. Depois que a empresa retirou o patrocínio, o problema se agravou e a equipe não só mudou de nome como também perdeu seus principais jogadores, entre eles o levantador Bruninho, o oposto Leandro Vissotto e o ponteiro Thiago Alves.

O RJ Vôlei disputou diversas partidas da Superliga com apenas nove jogadores já que o prazo para contratação havia encerrado no dia 20 de dezembro. Para contratar, o atual campeão da competição precisava de uma anuência unânime das demais equipes do torneio. Em reunião, porém, teve o pedido negado. O RJ Vôlei só voltou a contar com 12 atletas antes do início das quartas de final contra o Minas pois pôde utilizar um ponto do regulamento: a contratação de jogadores de times eliminados na Superliga B.

Na tarde desta quarta-feira, Fronckowiak fará uma reunião com os jogadores. É uma confraternização entre atletas e comissão técnica. Segundo o treinador, o encontro não definirá o futuro de ninguém.

- Ontem fechamos dois meses de um time novo, depois que tivemos de recomeçar praticamento do zero após a saída de alguns jogadores. Vou conversar com o Zé, que continua na busca de novos parceiros. Claro que precisamos de mais patrocinadores para seguirmos com o projeto - afirmou Fronckowiak.