icons.title signature.placeholder Daniel Guimarães e João Matheus Ferreira
12/11/2014
06:00

Assim como todo evento de grande porte, a eleição do Vasco, realizada na última terça-feira, em São Januário, que coroou a chapa "Volta Vasco, Volta Eurico" como vencedora, teve suas particularidades. Dentro e fora do estádio, vários acontecimentos marcaram o pleito, que entrou para a história por ser o que mais teve participação dos sócios: 5.592 no total.

Um deles está relacionado a Fernando Horta, grande benemérito e 1º vice geral de Eurico Miranda. Durante quase todo o período de votação, ele não ficou no ginásio (local das urnas), mas sim próximo às arquibancadas de São Januário, local de passagem de muitos sócios. Horta não fazia boca de urna, mas seu posicionamento estratégico foi fundamental para a chapa.

Em frente à entrada social ainda pela parte da manhã (ficou até a noite), carros de som e mulheres com bandeiras faziam as campanhas de cada uma das três chapas. Como o espaço é reduzido, dava para escutar a música dos três candidatos, Eurico Miranda, Julio Brant e Roberto Monteiro. Neste mesmo lugar, partidários do vencedor da eleição hostilizavam aqueles que entravam com a camisa "amarela", de Julio.

Do lado de dentro, o líder da "Sempre Vasco" também teve de ouvir algumas gracinhas de Eurico. Além de passar na frente das câmeras enquanto Julio depositava o voto e era filmado, Eurico perguntou aos repórteres "quem era ele", se referindo ao adversário. Por diversas vezes, aliás, o futuro presidente parava alguns sócios e "apresentava" para a imprensa, muitas vezes jogando alguma ironia.

Partidário de Eurico tietou Edmundo na hora que o ídolo foi votar (Foto: João Matheus Ferreira)

Entretanto, assim como teve clima áspero, o ambiente demonstrou paz em alguns momentos. Em um deles, um torcedor com o adesivo de Eurico pediu para tirar foto com Edmundo, principal cabo eleitoral de Julio. O ídolo não se importou e tirou, mas o "euriquista" ouviu piadinha de amigos.

Edmundo, aliás, se mostrou bastante solícito para tirar fotos e dar autógrafos, mas não foi nem um pouco assim com Eurico, que até tentou se posicionar de modo que o ídolo tivesse que cumprimentá-lo, mas Edmundo fez questão de passar direto e ignorá-lo solenemente. Situação semelhante aconteceu com o presidente Roberto Dinamite, que não falou com nenhum dos três candidatos na hora que foi votar.

Para finalizar, alguns casos divertidos. Quando o ritmo da votação deu uma diminuída, entre 16h e 18h, três mesárias resolveram tirar uma "selfie" sem levantar da mesa, demonstrando que, de fato, o ócio incomodava. Além delas, outra situação curiosa: um eleitor colocou a própria identidade no envelope de votação e acabou indo para casa sem documento. O erro só foi percebido na hora da apuração, de madrugada.

Mesárias apoveitaram hora mais vazia para tirar selfie durante eleição (Foto: João Matheus Ferreira