icons.title signature.placeholder Bruno Braz e Daniel Guimarães
icons.title signature.placeholder Bruno Braz e Daniel Guimarães
29/07/2013
08:05

Ao que parece, Juninho não fez um bem ao Vasco somente agregando sua qualidade técnica com gols e assistências. A partir do momento que ele entrou na equipe, jogadores que vinham sendo criticados apresentaram uma sensível melhora, casos do lateral-direito Nei, do apoiador Pedro Ken e do atacante Eder Luis.

Dos três, Nei foi o que entrou em campo contra o Criciúma com o maior peso nas costas. Sem ter uma atuação de destaque pelo Vasco até então, carregava a pressão de ter no banco de reservas Fagner, contratação de grande repercussão do clube e que tem forte identificação com a torcida. Utilizando sua experiência, se sobressaiu na partida, principalmente nos quesitos defensivos, sendo um dos que mais desarmou.

– O Nei é curioso. Ele teve uma crescida muito grande com minha chegada ao Internacional em 2011, se tornou um jogador muito regular. Espero que mantenha isso também no Vasco – disse Dorival.

No caso de Pedro Ken, o fato de agora dividir a responsabilidade da criação com Juninho Pernambucano fez com que ele jogasse com menos pressão e se tornasse mais participativo em campo.

Já Eder Luis, se ainda não voltou a ser aquele que os vascaínos se acostumaram em 2011, ao menos já mostra uma sensível melhora. Contra o Criciúma, chegou a ser aplaudido em alguns momentos pela torcida, que outrora o perseguia. Dorival Júnior, que é um dos grandes entusiastas do futebol do atacante, torce para que o mineiro siga evoluindo no Campeonato Brasileiro.

– O Eder Luis voltou a ser um jogador competitivo, com uma saída rápida, uma grande participação durante os 90 minutos. Pelo que eu conheço do Eder, é desse nível para frente – comentou o treinador.

Destes três jogadores, somente Eder Luis ainda não havia trabalhado com Dorival. Nei conquistou a Recopa de 2011 e o Campeonato Gaúcho de 2012 com o treinador, e Pedro Ken foi campeão paranaense junto com o comandante em 2008, no Coritiba, clube onde foi revelado.

Ao que parece, Juninho não fez um bem ao Vasco somente agregando sua qualidade técnica com gols e assistências. A partir do momento que ele entrou na equipe, jogadores que vinham sendo criticados apresentaram uma sensível melhora, casos do lateral-direito Nei, do apoiador Pedro Ken e do atacante Eder Luis.

Dos três, Nei foi o que entrou em campo contra o Criciúma com o maior peso nas costas. Sem ter uma atuação de destaque pelo Vasco até então, carregava a pressão de ter no banco de reservas Fagner, contratação de grande repercussão do clube e que tem forte identificação com a torcida. Utilizando sua experiência, se sobressaiu na partida, principalmente nos quesitos defensivos, sendo um dos que mais desarmou.

– O Nei é curioso. Ele teve uma crescida muito grande com minha chegada ao Internacional em 2011, se tornou um jogador muito regular. Espero que mantenha isso também no Vasco – disse Dorival.

No caso de Pedro Ken, o fato de agora dividir a responsabilidade da criação com Juninho Pernambucano fez com que ele jogasse com menos pressão e se tornasse mais participativo em campo.

Já Eder Luis, se ainda não voltou a ser aquele que os vascaínos se acostumaram em 2011, ao menos já mostra uma sensível melhora. Contra o Criciúma, chegou a ser aplaudido em alguns momentos pela torcida, que outrora o perseguia. Dorival Júnior, que é um dos grandes entusiastas do futebol do atacante, torce para que o mineiro siga evoluindo no Campeonato Brasileiro.

– O Eder Luis voltou a ser um jogador competitivo, com uma saída rápida, uma grande participação durante os 90 minutos. Pelo que eu conheço do Eder, é desse nível para frente – comentou o treinador.

Destes três jogadores, somente Eder Luis ainda não havia trabalhado com Dorival. Nei conquistou a Recopa de 2011 e o Campeonato Gaúcho de 2012 com o treinador, e Pedro Ken foi campeão paranaense junto com o comandante em 2008, no Coritiba, clube onde foi revelado.