icons.title signature.placeholder Valdomiro Neto
01/03/2014
07:50

Mauricio Copertino jogou nos tempos de vacas magras do Santos. Surgido nas categorias de base do clube, atuou de 93 a 95 sem destaque. Nesse miolo do período de jejum de títulos, é comum que o torcedor santista o cite, entre outros nomes, como símbolo de uma era ruim. Porém, é muito mais vítima que vilão de uma era dolorosa. Um tempo em que apenas atacantes trazem boa memória, como Paulinho McLaren e Guga.

Verdade que não foi um zagueiro técnico, longe disso. Mas tinha raça e destacava-se pela força física e altura. Foi de uma época de Meninos da Vila que poderiam ter sido mais do que foram, casos ilustrativos de Axel e Marcelo Passos. Fez parte do elenco vice-campeão brasileiro de 95, que tinha como capitão Gallo, justamente quem o levou para o trabalho atual na Seleção Brasileira. Detalhe: Copertino chegou a carregar a tarja de capitão da equipe alvinegra.