icons.title signature.placeholder Carlos Alberto Vieira
14/06/2014
01:30

Padre Miguel Mcintosh é um americano radicado no Brasil há 42 anos. Acompanha o futebol inglês, já que o americano não é tão competitivo. Nem por pedido papal fala qual o time de coração. Padre Stefano Moino é um italiano de Veneto que chegou no Amazonas há seis anos, aguarda ansiosamente pelo início da Copa do Mundo e abre o sorriso quando o assunto é a Azzurra. Ambos trabalham na Arquidiocese de Manaus. Nesta época de Copa, para mostrar total integração com a competição e abençoar as seleções de Itália e de Inglaterra que entram em campo, nesta sábado, às 19h (de Brasília, 18h em Manaus), na Arena da Amazônia, estão celebrando missas nas línguas das seleções.

- Esta é uma oportunidade para mostrar a união da igreja com o maior evento esportivo da nossa região. E para mim, que sou italiano, é a forma de dar uma força espiritual a mais para a seleção de meu país - disse Stefano.

Padre Miguel, com sotaque muito carregado, também gostaria de ter a oportunidade de abençoar algum astro do English Team. Mas se contentava com a presença dos torcedores na primeira missa que realizou, ontem.

- Pena que não teremos os atletas. Mas muitos turistas ingleses estão em Manaus para ver o jogo e conhecer a cidade. Têm a possibilidade de acompanhar uma missa na sua língua e irão se sentir ainda mais em casa. Nunca foi feito isso aqui e só o futebol, este esporte fantástico, nos deu esta oportunidade. Vamos abençoar os ingleses. Não são favoritos como o Brasil. Mas espero que façam um bom jogo na estreia - disse Padre Miguel.

Padre Stefano também lamentou a ausência dos membros da Itália na primeira missa que celebrou, na quinta-feira passada.

-  Nós da Arquidiocese sabíamos que não viriam. Eles estavam no Rio. Mas o que vale é termos esta possibilidade de viver a Copa em dimensão espiritual.

Em comum, os padres pedem que hoje, na Arena, os milhares de torcedores e os 46 jogadores não se esqueçam do maior poder que um jogo da Copa do Mundo tem:

- Vamos  celebrar o sucesso desta competição. Rezar pela paz no mundo e dooo jogo, para que não ocorra confusão. A Copa é para unir todos os povos das 32 nações. Esta grande diversidade se torna uma unidade em torno da competição. É como a igreja, pois ela tem esse  papel. Uma missa é universal - Disse Padre Miguel.

- Começa hoje aqui em Manaus para Inglaterra e Itália um tempo de esperança, um tempo de partilha. Vamos desfrutar - concluiu Padre Stefano.