icons.title signature.placeholder Igor Ramos
21/06/2014
21:00

A França realizou nesta tarde de sábado um treino coletivo contra o time sub-18 do Botafogo e os reservas que não enfrentaram a Suíça venceram os brasileiros por 3 a 0. Para os garotos da base do time de Ribeirão Preto foi um dia memorável, com a oportunidade de treinar contra jogadores reconhecidos mundialmente. Mas para um deles esse treino foi ainda mais especial.

O lateral William, de 19 anos, ganhou de presente do meia Cabella um par de chuteiras em reconhecimento a um drible desconcertante que aplicou no jogador francês no decorrer do primeiro tempo do coletivo.  Orgulhoso, ele descreveu ao L!Net o lance que certamente não sairá mais da sua cabeça, nem de seu repertório de dribles.

- O volante tocou e eu puxei a bola para o meio e cortei para dentro, tirando ele totalmente da jogada. Carreguei a bola e toquei. Ele passou do meu lado e disse "boa" - elogiando meu lance", conta.

Ao final do treino o jogador do Botafogo lembrou de uma das poucas palavras que aprendeu com alguns  estrangeiros que fazem intercâmbio em Ribeirão Preto e se dirigiu a Cabella, despretensiosamente.

- Uma vez vendi uma chuteira para um menino no alojamento e me lembrei da palavra. Falei boot pro Cabella e apontei para o pé. Fiquei surpreso que depois do treino ele foi até o vestiário e voltou com uma chuteira, me procurando. Me entregou e de novo deu parabéns pelo lance Foi um gesto que nem esperava, um presente que vou levar para a vida toda - disse.

William ainda não sabe o que vai fazer com a chuteira, cujo nome do meia francês está impresso. "Já pensei em usar, em guardar. To confuso", sorri. "Sei que nunca teria condição de uma chuteira dessas, com a bandeirinha da França e tudo mais. Pelo menos até a semifinal não vou usar. A França vai chegar, e vai ter um valor sentimental ainda maior. Já pensou?" afirmou o garoto, que na quinta-feira vai procurar Cabella para pedir um autógrafo.

- Tive mais sorte que meus colegas. Pediram para o Sagna e ele fez carão. O Pogba disse que não tinha e o Valbuena não estava entendo nada - sorriu.

Um dia inesquecível, também porque William estava parado havia seis meses e justamente hoje voltou a treinar mais forte com bola.  A chuteira será a marca para o recomeço.

- Fui abençoado hoje, voltando a jogar depois de cirurgia no joelho, e ganhando esse presente.

TREINO COM CHINESES E CAZAQUES

Na próxima semana os reservas que não atuarem contra o Equador (jogo marcado para quarta-feira) vão treinar mais uma vez com a garotada. Mas dessa vez os adversários serão atletas do Cazaquistão e da China, que fazem intercâmbio no Botafogo.