icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
23/11/2014
22:13

O esforço do Palmeiras para ter Valdivia contra o Coritiba, neste domingo, acabou não valendo a pena. Embora tenha sido liberado pelo departamento médico após passar por uma ressonância magnética e ser aprovado em um teste físico no sábado, o jogador demonstrou incômodo na coxa esquerda lesionada e pouco se movimentou no gramado do Couto Pereira e acabou sendo substituído no intervalo por Diogo. Dorival diz que não se arrepende de usá-lo.

- Me foi dada a certeza de que ele teria condições. Não voltaria atrás, (se vivesse a mesma situação novamente) o colocaria em campo, como foi feito. Ele foi até onde deu, foi no limite, e temos que reconhecer o profissionalismo dele, a maneira com que tentou nos ajudar. A situação é ruim, vem ficando pior a cada momento, mas o Palmeiras ainda só depende de suas próprias forças - disse o treinador.

Os dois gols da vitória do Coxa, por 2 a 0, saíram no segundo tempo, quando Valdivia não estava mais no gramado. De acordo com Dorival, faltou organização à equipe após levar o primeiro.

- A partir do momento em que a equipe toma um gol, ela se desmancha em campo. É preocupante, porque não estamos criando e nem defendendo. Nós só temos mais duas partidas, e volto a dizer que ainda dependemos só das nossas forças. Mas elas têm que aparecer, porque está crítico - acrescentou.

O Palmeiras chegou à quarta derrota seguida e caiu da 14º para a 16º posição, apenas uma acima da zona da degola. A vantagem para o Vitória, 17º colocado, é de um ponto.

- É difícil para mim, como comandante, expor alguma coisa. Eu preciso tentar resolver internamente. É um momento em que temos de ter a ombridade de assumir essa condição, a responsabilidade natural sempre vai ser do treinador. Temos que ter consciência de que precisamos de muito mais para manter o Palmeiras na Série A - completou Dorival.